Ensino tecnológico à distância da ubbu já chegou a 10 mil alunos 

As aulas de programação da startup ubbu, destinadas a crianças entre os 6 e os 13 anos, já formaram quase 10 mil alunos. A ubbu criou um novo software para que os pais consigam dar apoio ao estudo.

A plataforma de ensino tecnológico ubbu disponibilizou gratuitamente as aulas de programação para crianças entre os 6 e os 13 anos (1º. ao 6.º ano de escolaridade), que se encontram em casa devido à pandemia. Devido ao confinamento, a procura tem crescido e, hoje, a plataforma já tem quase 10 mil alunos a ter aulas de programação à distância.

A startup anunciou esta semana que, a partir de agora, a plataforma tem um software específico para os pais e o objetivo é permitir que também eles consigam dar apoio às aulas, sem depender dos professores.

As inscrições na plataforma continuam abertas no site oficial e o serviço estará disponível até junho, período que poderá vir a ser alargado.

Ubbu

“Foram desenvolvidos novos conteúdos para facilitar a utilização da plataforma em casa e está-se a estudar a possibilidade dos alunos e professores partilharem os projetos dentro e fora da plataforma, para poderem comunicar entre eles e com a comunidade,” refere João Magalhães, CEO da ubbu, citado em comunicado. “A ubbu é uma nova disciplina do currículo escolar que se dedica a ensinar ciências da computação e programação, que ajudam a desenvolver competências como o pensamento computacional, raciocínio lógico, resolução de problemas e criatividade”, sublinha.

O software oferece aulas de ciências da computação para alunos e professores, que apenas têm que seguir os conteúdos e atividades propostos na plataforma. A abordagem educacional utilizada é o STEAM (sigla para ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática) e aplica-as para a solução de problemáticas do quotidiano, sempre com base em conteúdos dos 17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. A ubbu foi lançada pela Academia de código em janeiro do ano passado e já ensina programação a mais de 60 mil crianças em Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ensino tecnológico à distância da ubbu já chegou a 10 mil alunos 

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião