Mais mulheres que homens em assistência à família, lay-off ou sem atividade

  • Lusa
  • 14 Maio 2020

Estudo da Universidade Católica revela que, entre 6 e 11 de maio, dos 4% de trabalhadores que estavam em assistência à família, 13% em lay-off e 10% sem atividade, a maioria são mulheres.

Um estudo da Universidade Católica revelou esta quinta-feira que, entre 6 e 11 de maio, dos 4% de trabalhadores que estavam em assistência à família, 13% em lay-off e 10% sem atividade, a maioria são mulheres.

De acordo com a segunda parte do estudo “Covid-19 e os Portugueses – A vida em tempo de quarentena”, realizado pelo Centro de Estudos e Sondagens de Opinião (CESOP) da Universidade Católica Portuguesa para a RTP, a Fundação Francisco Manuel dos Santos, a Católica Lisbon e a Universidade Católica Portuguesa, entre os dias 6 e 11 de maio, 42% dos portugueses que estavam a trabalhar antes da crise estavam nos locais de trabalho a tempo inteiro, 7% a tempo parcial, 16% estavam em teletrabalho (em abril eram 23%), 4% em assistência à família, 13% em lay-off 8% desempregados e 10% disse estar sem atividade.

Elas, mais do que eles, na assistência à família, em lay-off e sem atividade. Eles, mais do que elas, a manter as mesmas funções nos mesmos locais”, concluiu o estudo.

A maior parte dos inquiridos (84%) imagina-se com trabalho no curto/médio prazo, mas 7% julgam que vão estar desempregados ou sem atividade.

Quanto às competências digitais, 52% admitiu sentir-se preparado para trabalhar num mundo mais digital, porém, 19% disse estar impreparado, sendo que, desses, 57% corresponde a pessoas com escolaridade inferior ao 3.º ciclo.

Mais de 1/3 dos inquiridos (38%) disse ter agora rendimentos do agregado inferiores ao que tinham antes da crise, com a maior parcela de agregados com perda de rendimento a pertencer aos mais pobres: 43% dos agregados com rendimento mensal até 1.000 euros, 41% entre 1.001 e 2.500 euros mensais e 21% em agregados que auferem mais 2.500 euros por mês.

Também 70% dos empresários em nome individual e trabalhadores independentes admitiram sentir perda de rendimentos no agregado, bem como 43% dos trabalhadores por conta de outrem, 32% dos trabalhadores em teletrabalho e 35% dos que estão em trabalho presencial a tempo inteiro.

O estudo observou ainda que, neste momento, a maioria da população não tenciona fazer férias este ano fora da sua residência, com um em cada três inquiridos a responder que de certeza que não fará férias fora de casa e 20% a dizer que provavelmente não o fará.

Os destinos mais indicados pelos que admitem fazer férias fora da sua residência são a Região Norte (28% dos que pensam sair), o Algarve (27%), a Região Centro (16%) e o Alentejo (15%).

Quanto ao estado de saúde física, 25% dos inquiridos afirmam estar pior do que estavam há um mês, sendo que, desses, 28% são mulheres e 22% homens.

As maiores percentagens de indivíduos que consideram ter piorado o estado de saúde física encontram-se entre as pessoas mais novas.

Já quanto à saúde mental, 28% dizem estar pior do que estavam há um mês e, mais uma vez, a percentagem é maior nas mulheres (32%) do que nos homens (25%).

Na semana de 6 a 11 de maio, 67% dos inquiridos disse estar a sair de casa o mesmo número de vezes do que nas semanas anteriores, 23% admitiu estar a sair mais de casa e apenas 10% saiu ainda menos vezes.

Neste estudo, foram obtidos 898 inquéritos válidos, sendo 54% dos inquiridos mulheres, 34% da região Norte, 18% do Centro, 34% da A.M. de Lisboa, 6% do Alentejo, 4% do Algarve, 2% da Madeira e 2% dos Açores.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais mulheres que homens em assistência à família, lay-off ou sem atividade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião