Receitas da Altice Portugal sobem 2,6% apesar da pandemia

A Altice Portugal registou um crescimento nas receitas de 2,6% até março, para 522,3 milhões de euros, apesar dos efeitos da pandemia. O EBITDA ajustado cresceu 1,8% face ao trimestre homólogo.

A Altice Portugal obteve receitas de 522,3 milhões de euros no primeiro trimestre de 2020. Trata-se de um crescimento de 2,6% face ao trimestre homólogo e representa um resultado acima do consenso de nove analistas sondados pela empresa.

O lucro antes de juros, impostos, amortizações e depreciações (EBITDA) ajustado da Altice Portugal alcançou os 210,2 milhões de euros, mais 1,8% face ao período equivalente de 2019, igualmente acima das estimativas.

O segmento de B2C (business to consumer) continua a ser o que maior peso tem nas contas da empresa, tendo gerado para o grupo um total de 296,1 milhões de euros em receita, um crescimento superior a 2% face ao trimestre homólogo. A base de clientes residenciais da Altice Portugal subiu 1%, para 1,6 milhões de clientes, dos quais 62% são servidos com fibra ótica.

Dentro deste segmento, o negócio fixo rendeu à empresa liderada por Alexandre Fonseca 155,1 milhões de euros no trimestre, enquanto o negócio de telefonia móvel rendeu 117,6 milhões de euros. Ambos os indicadores registaram crescimentos marginais em relação ao período homólogo. As vendas de equipamentos também cresceram, de 20,4 milhões no primeiro trimestre de 2019 para 23,3 milhões de euros entre janeiro e março de 2020.

Mas as receitas com o segmento empresarial também aumentaram. A subida foi de 3%, o maior crescimento percentual das diferentes unidades de negócio, num período marcado pela imposição da quarentena no país, que forçou muitas empresas a adaptarem as operações com recurso ao teletrabalho.

Quanto ao investimento, o Capex (capital expenditures) da Altice Portugal aumentou de 100,5 milhões no arranque de 2019 para 104,3 milhões no arranque de 2020. Segundo a empresa, desta despesa resulta também o incremento de 505.000 casas passadas na rede de fibra da Meo, que alcança agora mais de cinco milhões de lares no país.

Estes resultados da Altice Portugal deram-se num período em que o Governo português implementou fortes restrições à atividade económica, de forma a tentar conter a pandemia do coronavírus, cujo primeiro caso de infeção foi registado no país a 2 de março. Desta forma, os resultados foram apenas parcialmente impactados pelo choque económico provocado pelo surto e que obrigou também a Meo a encerrar a generalidade das lojas.

Estou confiante de que a vida vai voltar ao normal. E apesar de dizerem que não vai ser como antes, eu concordo: vai ser melhor.

Patrick Drahi

Fundador da Altice Europe

Pandemia atrasa fibra e afunda roaming

Ao nível do grupo, as receitas da Altice Europe cresceram 3,1%, para 3,6 mil milhões de euros, enquanto o EBITDA ajustado cresceu 0,7%, para 1,3 mil milhões de euros. A generalidade das rubricas de receita assistiu a melhorias, exceto o segmento de media, focado quase na totalidade no negócio da publicidade nos meios de comunicação social que a Altice detém em França e na plataforma de distribuição de anúncios Teads.

Perante este cenário, a administração da Altice Europe decidiu manter o guidance para o ano, com o fundador e principal acionista do grupo, Patrick Drahi, a mostrar-se confiante numa rápida recuperação económica global: “Estou confiante de que a vida vai voltar ao normal. E apesar de dizerem que não vai ser como antes, eu concordo: vai ser melhor”, disse, numa conferência telefónica com analistas financeiros. Contudo, essa manutenção do guidance assenta no pressuposto do fim da quarentena no segundo trimestre e numa “recuperação económica gradual” nos meses seguintes.

Ainda assim, os responsáveis da administração do grupo não esconderam que a pandemia terá um impacto negativo no segundo trimestre. Esse impacto irá materializar-se pela pressão já observada no negócio da publicidade, mas também pela quase paralisação do roaming, que gera receitas para a Altice numa vertente grossista e que, como explicou Patrick Drahi, é receita perdida, uma vez que resulta do cancelamento em massa de viagens por parte dos cidadãos em todo o mundo. A empresa antecipa atrasos na expansão da rede de fibra ótica nos principais mercados em que opera, nomeadamente França e Portugal.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h42)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receitas da Altice Portugal sobem 2,6% apesar da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião