Alojamento local perde nove imóveis por dia. Houve 1.432 desistências desde janeiro

Desde o início do ano contam-se quase 1.500 desistências no alojamento local, não se sabendo se estes proprietários migraram, ou não, para o arrendamento tradicional.

O alojamento local continua a perder imóveis. Desde o início do ano já se contam quase 1.500 desistências, de acordo com os dados fornecidos ao ECO pelo Turismo de Portugal. O coronavírus não está a facilitar a vida a este setor que, no entanto, conta agora com mais alternativas no caso de desistência, seja com a suspensão das mais-valias na transição para o arrendamento tradicional, seja com os programas municipais.

Menos 392 imóveis em janeiro, menos 308 em fevereiro, menos 208 em março, menos 229 em abril, menos 198 em maio e menos 97 nas primeiras duas semanas de junho. Ao todo foram 1.432 os imóveis de alojamento local a cessar atividade desde o início do ano, o equivalente a nove desistências por dia, mostram os dados do Turismo de Portugal. Isto numa altura em que a pandemia deixou muitos proprietários sem hóspedes.

Os números das desistências têm vindo a diminuir mês após mês, mas continuam a ser significantes para um setor que capta milhões de receitas para a economia. Se compararmos com o universo de 93.737 imóveis de alojamentos local inscritos no Registo Nacional de Turismo, estas atividades cessadas representam 1,5%. Contudo, não é possível apurar se estas desistências representam migrações para o arrendamento tradicional.

A verdade é que desde o final do ano passado que têm sido criadas cada vez mais facilidades e até incentivos à desistência desta atividade. No Orçamento do Estado para 2020 o Governo decidiu isentar de mais-valias os proprietários que transitem do alojamento local para o arrendamento tradicional e lá permaneçam pelo menos durante cinco anos consecutivos.

Mais recentemente, as Câmaras do Porto e de Lisboa anunciaram dois programas em que pretendem arrendar imóveis de alojamento local para depois os subarrendar a preços acessíveis à população. A autarquia do Porto lançou o Porto Com Sentido e a de Lisboa lançou o Programa Renda Segura. Para iniciativas semelhantes a estas o Governo criou uma linha de 4,5 milhões de euros ao ano para apoiar as câmaras nestes arrendamentos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alojamento local perde nove imóveis por dia. Houve 1.432 desistências desde janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião