Uber só aceitará carros “integralmente elétricos” a partir de 16 de julho

A partir de 16 de julho, todos os novos automóveis registados nos serviços UberX e Comfort terão de ser "integralmente elétricos", apurou o ECO.

A Uber vai passar a exigir que todos os novos automóveis registados na plataforma e afetos aos serviços UberX e Comfort sejam “integralmente elétricos”. A novidade foi comunicada esta quinta-feira de manhã aos motoristas e entrará em vigor a 16 de julho para as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e nos distritos de Braga e Faro, apurou o ECO.

Na nota remetida aos parceiros, a que o ECO teve acesso, a empresa diz estar empenhada “em garantir um futuro em que a mobilidade urbana é cada vez mais sustentável”. “Por isso, a partir de dia 16 de julho, a aplicação Uber apenas aceitará o registo de novos veículos que sejam integralmente elétricos nos produtos UberX e Comfort”, acrescenta.

O UberX é o serviço básico da Uber em Portugal e, também, o mais utilizado. O serviço Comfort é o serviço intermédio, que permite viajar em “carros mais confortáveis” guiados por motoristas com classificações superiores.

Esta novidade não significa que todos os carros destes serviços passem a ser elétricos a partir de 16 de julho. A medida “apenas irá impactar novos veículos, pelo que os veículos atualmente registados na aplicação e os veículos de substituição não serão afetados”, indica a Uber na mensagem que remeteu aos motoristas.

Assim, gradualmente, vão existir cada vez menos automóveis a diesel e a gasolina ao serviço da Uber. No limite, e mantendo tudo constante, os serviços básico e intermédio da Uber em Portugal poderá ser totalmente elétrico a partir de 2027, na medida em que a lei obriga a que os automóveis ao serviço destas plataformas tenham menos de sete anos. Em fevereiro, por exemplo, a empresa “expulsou” da plataforma todos os automóveis com matrícula de 2013.

Mas a transição poderá ser completada ainda mais cedo. Em meados do mês passado, a associação ambiental Zero veio a público exigir que todos os automóveis afetos ao negócio das plataformas eletrónicas sejam 100% elétricos até 2025. A associação realizou também um estudo que concluiu que “em Portugal é mais barato operar veículos elétricos do que recorrer ao gasóleo”.

Entretanto, a Uber Portugal confirmou esta mudança em comunicado. A empresa acredita que a decisão vai acelerar “a descarbonização do setor dos transportes”. “Sabemos o que temos pela frente mas esperamos que iniciativas como esta possam ajudar a mobilizar parceiros privados e autoridades públicas e que este esforço, que tem de ser conjunto, possa fazer a diferença”, sublinha Manuel Pina, diretor-geral da empresa, citado na referida nota.

(Notícia atualizada pela última vez às 10h21)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber só aceitará carros “integralmente elétricos” a partir de 16 de julho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião