Lone Star garante que nunca comprou imóveis ao Novo Banco

O fundo americano Lone Star garante que nunca comprou imóveis ao Novo Banco. Em comunicado, diz que suspeitas em torno do seu investimento no banco são "infundadas".

O fundo norte-americano Lone Star garante que nunca comprou imóveis ao Novo Banco, tentando afastar as suspeitas que diz serem “infundadas” e que pairam sobre as vendas de carteiras imobiliárias pelo banco do qual detém 75% do capital.

A Lone Star e as suas afiliadas nunca fizeram parte de nenhum tipo de transação com partes relacionadas para aquisição de ativos, incluindo ativos imobiliários, do grupo Novo Banco“, refere num comunicado em que responde “à recente especulação infundada nalguma comunicação social sobre o investimento” do fundo americano no banco português.

O Novo Banco tem estado no centro da polémica nas últimas semanas por causa da venda de carteiras de imobiliário a fundos internacionais e que geraram perdas avultadas. A última notícia surgiu esta semana, com o jornal Público a adiantar que o banco português financiou o comprador “anónimo” de lote de imóveis designado “Viriato”, numa operação que gerou um impacto negativo de 160 milhões.

Em reação, a Lone Star lembra que o contrato de compra do banco português, assinado em outubro de 2017, “proibiu expressamente a Lone Star ou suas afiliadas de celebrar qualquer transação ou acordo com o grupo Novo Banco, exceto se autorizado pelo Fundo de Resolução”, e que está a cumprir o que foi acordado.

Afirma ainda manter “mantém políticas e controlos abrangentes de conformidade que regem as transações com partes relacionadas e outros possíveis conflitos de interesse”, isto para voltar a garantir que “cumpriu essas disposições” que constam do contrato assinado com o Fundo de Resolução.

“A Lone Star reafirma que nunca fez parte de nenhum tipo de transação para aquisição de ativos, incluindo ativos imobiliários, do Grupo Novo Banco e rejeita as insinuações que penalizam de forma séria e injusta os Fundos Lone Star, os seus stakeholders, os colaboradores e o trabalho que tem sido realizado“, remata.

Donald Quintin, senior managing director do Lone Star.Paula Nunes / ECO

Leia o comunicado da Lone Star na íntegra:

A Lone Star é uma empresa líder em private equity que aconselha fundos (Lone StarFunds) que investem globalmente. Os Lone StarFunds são, por sua vez, aconselhados pela Lone Star Global AcquisitionsLtd (LSGA), um consultor de investimentos registado na Securitiesand Exchange Commission dos EUA. A LSGA constatou a recente especulação infundada nalguma comunicação social sobre o investimento da Lone StarFunds no Novo Banco.

A LSGA reafirma que a Lone Star e as suas afiliadas nunca fizeram parte de nenhum tipo de transação com partes relacionadas para aquisição de ativos, incluindo ativos imobiliários, do Grupo Novo Banco.

O acordo de acionistas assinado com o Fundo de Resolução referente à participação no Novo Banco, concluída em outubro de 2017, proibiu expressamente a Lone Star ou suas afiliadas de celebrar qualquer transação ou acordo com o Grupo Novo Banco, exceto se autorizado pelo Fundo de Resolução.

Além disso, sendo uma empresa de consultoria regulada pelo governo (incluindo registos na Securities and Exchange Commission dos EUA e na Financial Conduct Authority do Reino Unido), a Lone Star mantém políticas e controlos abrangentes de conformidade que regem as transações com partes relacionadas e outros possíveis conflitos de interesse. Em relação ao investimento no Novo Banco, a Lone Star cumpriu essas disposições.

A Lone Star reafirma que nunca fez parte de nenhum tipo de transação para aquisição de ativos, incluindo ativos imobiliários, do Grupo Novo Banco e rejeita as insinuações que penalizam de forma séria e injusta os Fundos Lone Star, os seus stakeholders, os colaboradores e o trabalho que tem sido realizado.

Os Fundos Lone Star, que injetaram mil milhões de euros na capitalização do Novo Banco em 2017, adquirindo 75% do seu capital, cumprem todas as disposições e exigências decorrentes dos contratos negociados e assinados com o Fundo de Resolução e o Grupo Novo Banco.

(Notícia atualizada pela última vez às 19h35)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lone Star garante que nunca comprou imóveis ao Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião