Por cada 16 garrafas de plástico nasce um par de ténis. Lidl dá nova vida ao lixo recolhido nas praias

São para toda a família e 25% do tecido destes ténis é Ocean Bound Plastic, ou seja plástico recolhido nas praias, ilhas e zonas costeiras do continente asiático.

Depois de ter colocado à venda em junho nas suas lojas uma coleção de t-shirts feitas com algodão orgânico, o Lidl vai lançar no final do mês a primeira linha de ténis de marca própria feitos com plástico reciclado. São para toda a família e 25% do tecido destes ténis é Ocean Bound Plastic, ou seja plástico recolhido nas praias, ilhas e zonas costeiras (neste caso específico na Ásia).

Os restantes 75% do tecido deste calçado desportivo são feitos a partir de garrafas de plástico recolhidas e recicladas de forma convencional. De acordo com o Lidl, as garrafas são prensadas, limpas e trituradas para que possam ser processadas em fios de tecido reciclado, que é então usado para fabricar os ténis. Assim, toda a parte têxtil da coleção Ocean Bound Plastic do Lidl (o exterior é feito em malha respirável) é 100% feita de plástico reciclado, e representa cerca de 20% do total dos ténis.

Em rosa, cinzento e preto, cada modelo destes ténis da coleção Ocean Bound Plastic, da marca Crivit, é produzido com aproximadamente 11 a 16 garrafas de plástico. De acordo com a organização não governamental WWF, cerca de 32% do plástico a nível mundial produzido é libertado para o ambiente e para os oceanos, aumentando a sua poluição e colocando em
risco os animais.

“A oferta de produtos com menor impacto ambiental e que contribuem para a sustentabilidade do ecossistema é uma das principais preocupações da marca. Como parte da estratégia global do grupo de redução do plástico – Reset Plastic – o Lidl lançará a sua primeira coleção de ténis fabricada com plástico reciclado”, anunciou a marca em comunicado.

O Lidl garante ainda que se compromete a integrar as melhores práticas de sustentabilidade ao longo da sua cadeia de valor. A redução do impacto ambiental, a rastreabilidade das matérias-primas, o cumprimento das condições de trabalho socialmente aceitáveis e a sustentabilidade do ecossistema, são alguns dos objetivos principais. Exemplo disso, é o projeto TransforMAR, já na sua 3ª edição nas praias portuguesas, no qual os veraneantes são desafiados a colocarem os seus resíduos plásticos e de metal num depósito próprio, evitando que o seu destino seja o mar.

Com o Reset Plastic, o grupo desenvolveu uma estratégia internacional com cinco áreas de ação: desde o design à reciclagem e remoção, até à inovação e educação. Em 2018 o LIdl assumiu o compromisso de reduzir o consumo de plástico nas embalagens de marca própria em 20% até 2025 e garantir até esta data que 100% das suas embalagens de marca própria são recicláveis.

Até ao final de 2020, o Lidl traçou ainda a meta de transitar todos os produtos de marca própria, inclusivamente as respetivas embalagens e etiquetas compostas por celulose, para material reciclado ou para fibras virgens certificadas, para apoiar o uso mais responsável da celulose e proteger as florestas.

Há dois anos, em agosto de 2018, descontinuou a venda de plásticos descartáveis, evitando a entrada no sistema de copos e pratos de plástico descartáveis e poupando 125 toneladas de plástico anualmente. E foi a primeira cadeia do retalho a abolir a venda de sacos de plástico para transporte de compras em todas as lojas a nível nacional – menos 25 milhões de sacos de plástico por ano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Por cada 16 garrafas de plástico nasce um par de ténis. Lidl dá nova vida ao lixo recolhido nas praias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião