Corticeira Amorim vence prémio europeu de sustentabilidade

A empresa liderada por António Rios Amorim venceu o "Best Raw Materials Sustainability - Europe 2020", pela "atitude pioneira" da empresa e "empenho na conservação das florestas e sobreiros". 

A Corticeira Amorim conquistou o “Best Raw Materials Sustainability – Europe 2020”, um galardão da revista inglesa Capital Finance International ligado à sustentabilidade, pela “atitude pioneira” da empresa e “empenho na conservação das florestas e sobreiros”.

A revista inglesa justifica a entrega do galardão pela “atitude pioneira” da Corticeira Amorim “em termos de desenvolvimento sustentável, sublinhando o empenho na conservação das florestas de sobreiros“, lê-se no comunicado divulgado pela empresa liderada por António Rios Amorim.

Além disso, a publicação realça ainda “a inovação interna e externa” da empresa líder mundial do setor corticeira para “encontrar novos usos, utilizações e mercados para a cortiça”, que vão desde as rolhas “até às viagens espaciais”.

Nesse sentido, o júri valorizou ainda o equilíbrio encontrado pela empresa para balançar a rentabilidade do negócio com as práticas ambientais, já que a cortiça é ” totalmente natural” e reutilizável e extraída “sem causar quaisquer danos às árvores”, revela a nota de imprensa. Além disso, a revista inglesa destaca também o papel do sobreiro na regulação do clima, permitindo que “por cada tonelada de cortiça produzida, o montado pode sequestrar até 73 toneladas de CO2”.

Segundo o CEO e presidente do grupo Amorim, este prémio revela “o reconhecimento internacional” do compromisso estratégico da empresa no desenvolvimento sustentável, nomeadamente “no que concerne à defesa do montado de sobro e da cortiça”, aponta. “Trabalhamos uma matéria-prima única, e acreditamos que responde aos desafios da sociedade atual, beneficiando as pessoas, o planeta e o crescimento sustentado das organizações”, conclui António Rios Amorim.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Corticeira Amorim vence prémio europeu de sustentabilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião