Humberto Pedrosa abandona a administração da TAP

Humberto Pedrosa e o seu filho renunciaram aos cargos que tinham no conselho de administração da transportadora aérea.

O empresário Humberto Pedrosa deixou de ser o presidente do conselho de administração da TAP (SGPS) e o seu filho David Pedrosa também deixou de ser vogal no mesmo órgão. O anúncio foi feito em comunicado esta quinta-feira pela empresa à Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM). A renúncia aos cargos estende-se às “demais sociedades do Grupo TAP onde exercem funções de administração”.

O acionista privado da TAP e o seu filho abandonam assim o conselho de administração, sendo substituídos por José Manuel Silva Rodrigues e Alexandra Margarida Vieira Reis — a qual também fará parte da comissão executiva –, que foram eleitos para vogais “para o período remanescente do mandato em curso (triénio 2018-2020)”. Esta substituição também se aplica às outras sociedades do grupo onde os dois tinham cargos.

O motivo das renúncias prende-se com eventuais implicações, em avaliação, nas atividades desenvolvidas pelo Grupo Barraqueiro, da prevista reorganização da participação acionista na TAP, SGPS do Estado Português“, explica o comunicado, assinalando que “o Senhor David Humberto Canas Pedrosa continuará a colaborar com a TAP, em concreto no processo de reestruturação, mantendo o Grupo Barraqueiro o seu compromisso com o Grupo TAP enquanto seu acionista de referência”.

Esta quinta-feira o ECO avançou que a Korn Ferry foi a consultora escolhida pelo ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, para selecionar um novo CEO para a TAP. O CEO interino, Ramiro Sequeira, também será candidato. Atualmente a transportadora aérea continua a trabalhar no plano de reestruturação que terá de ser entregue à Comissão Europeia até ao final do ano por contrapartida com a ajuda pública de 1.200 milhões de euros de apoio.

No primeiro semestre deste ano, por causa da crise pandémica, a TAP registou prejuízos de 582 milhões de euros e já travou nos investimentos, adiando a compra de aviões à Airbus para gerar uma poupança de mil milhões de dólares.

(Notícia atualizada às 8h39 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Humberto Pedrosa abandona a administração da TAP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião