Depois das boleias, Bolt também entrega refeições em Lisboa

Chegou a Portugal a Bolt Food, o serviço de entrega de refeições ao domicílio da Bolt. Conta com "centenas de estafetas" em Lisboa para fazer frente aos rivais Uber Eats e Glovo.

Depois do transporte privado, das bicicletas e das trotinetes elétricas, a Bolt acaba de lançar em Portugal o seu serviço de entrega de refeições ao domicílio. A Bolt Food já estava disponível em dezenas de outros mercados, mas passa agora a operar também “numa área limitada de Lisboa”, anunciou a empresa.

A Bolt Food funciona numa app independente, mas cujo registo é partilhado com a aplicação principal da Bolt, na qual, desde 2018, é possível pedir boleia a um motorista. Com este serviço, a empresa passa a concorrer também no mercado das entregas de refeições, a par com a rival Uber Eats e Glovo.

“De momento, já é possível realizar encomendas em mais de 260 restaurantes em Lisboa, dando resposta a todas as preferências e necessidades dos utilizadores. Além das refeições principais de diferentes estilos de cozinha, é possível encomendar ainda o pequeno-almoço, gelados e sobremesas ou até mesmo uma bebida apenas”, refere a Bolt num comunicado.

Há vários meses que se especulava sobre o lançamento da Bolt Food em Portugal. A pandemia resultou em quebras significativas no negócio do transporte privado, o que obrigou a adaptações e diversificação do modelo de negócio destas empresas da chamada “economia da partilha”.

Citado no comunicado, David Ferreira da Silva, diretor-geral da Bolt em Portugal, assegura que a empresa tem já “centenas de estafetas em Lisboa prontos para realizar as primeiras entregas”. “O lançamento deste novo serviço surge numa altura indicada. Acreditamos que o facto de as pessoas terem a possibilidade de encomendar comida dos seus restaurantes favoritos é algo que as incentivará a que fiquem mais tempo em casa”, sublinha.

Segundo a Bolt, é possível realizar encomendas de refeições “de segunda-feira a quarta-feira entre as 9h00 e a 1h00, na quinta-feira entre as 9h00 e as 2h00 e na sexta-feira e sábado entre as 9h00 e as 3h00, sendo que, durante o período de lançamento do serviço em Lisboa as encomendas terão taxa de entrega gratuita até uma distância de quatro quilómetros”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois das boleias, Bolt também entrega refeições em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião