Google Trends: Do regresso polémico da F1 às medidas anti-Covid

  • Tiago Lopes
  • 31 Outubro 2020

A Fórmula 1 regressou a Portugal, mas nem tudo correu bem. Lá fora, o advogado de Trump foi apanhado com as mãos onde não devia. Nos negócios, a Huawei perdeu a liderança.

A Fórmula 1 regressou a Portugal, mas nem tudo correu bem, sobretudo quando em plena pandemia foi permitido que mais de 27 mil pessoas estivessem presentes nas bancadas do Autódromo Internacional do Algarve, acabando por ser o assunto que mais discussão gerou na última semana.

A marcar os últimos dias esteve ainda a proibição de circulação entre concelhos entre o dia 30 de outubro e o dia 3 de novembro para tentar travar as infeções por Covid-19 em Portugal.

As eleições no Benfica foram outro dos temas mais pesquisados no Google pelos portugueses.

Cá dentro

Portugal voltou a receber uma prova de Fórmula 1, 24 anos depois da última vez, numa corrida que ficou marcada por alguma polémica devido ao elevado número de espetadores presentes nas bancadas do Autódromo Internacional do Algarve. Por essa razão, mas não só, o regresso desta prova ao nosso país foi o tema mais pesquisado pelos portugueses no motor de pesquisa do Google.

Para a história fica mais uma vitória de Lewis Hamilton, a 92ª conquista, tornando-se no piloto mais vitorioso de sempre nesta competição, ultrapassando o alemão Michael Schumacher.

Já no final desta semana, o tema voltou a ser alvo da atenção dos leitores, depois da notícia que dava conta que foram registados 14 casos de Covid-19 entre equipas da Fórmula 1 que estiveram presentes em Portimão para o Grande Prémio de Portugal.

A proibição de circular entre concelhos a partir do dia 30 de outubro até ao dia 3 de novembro, numa medida anunciada pelo Governo como forma de tentar reverter a tendência crescente do número de casos de Covid-19 em Portugal, foi outro dos assuntos mais pesquisados, sobretudo porque depois do anúncio desta medida foram muitas as dúvidas em relação às exceções a esta regra anunciada por António Costa. O ECO explicou neste artigo quais são as situações em que esta regra pode não ser aplicada.

O Benfica foi a votos na semana passada naquele que foi o ato eleitoral mais votado da história do clube. Contas feitas, foram votar mais de 38.102 sócios. No final de um dia longo, foi anunciada a vitória de Luís Filipe Vieira, que está à frente do clube há já 17 anos, e que agora vai continuar pelo menos por mais quatro anos.

Vieira foi reeleito com 62,59% dos votos, João Noronha Lopes teve 34,71% dos votos e Rui Gomes da Silva uns residuais 1,74% dos votos.

A semana nas pesquisas do Google fica também, invariavelmente, marcada pelos milhares de pesquisas sobre futebol, sobretudo quando estamos em semana de competições europeias, como foi o caso da vitória do FC Porto na terça-feira frente ao Olympiacos, em jogo a contar para a fase de grupos da Liga dos Campeões, e do jogo do Benfica a contar para a Liga Europa, que terminou a vencer o Standard Liége por 3-0.

A principal novidade foi mesmo o regresso do publico aos estádios de futebol. Tanto no Estádio do Dragão, como no Estádio da Luz, as bancadas voltaram a ter adeptos a aplaudir as equipas.

Quase a fechar a semana, a surpreendente notícia da morte do marido da empresária angolana Isabel dos Santos levou a milhares de pesquisas no Google. Sindika Dokolo, de 48 anos, morreu no Dubai após um mergulho subaquático.

“É com profundo pesar e consternação que a família Dokolo, esposa, filhos, mãe, irmão e irmãs, neste momento de enorme tristeza e dor, lamenta informar o falecimento de Sindika Dokolo, na quinta-feira, 29 de outubro 2020, no Dubai. A família agradece a todos os que expressaram sentimentos de pesar, solidariedade e bondade e que partilham a nossa dor”, informou a família Dokolo através de um comunicado.

Lá fora

  • Atentado em França. Na última quinta-feira três pessoas morreram e várias ficaram feridas depois de um homem que gritava “Allah Akbar” as ter atacado com uma faca. Segundo a AFP, o homem foi detido pela polícia. Após o ataque, o autarca da cidade de Nice, Christian Estrosi, descreveu o caso como um ataque terrorista.
  • Advogado de Trump apanhado. O novo filme de Borat estreou na semana passada na Amazon Prime e já fez correr muita tinta. Num dos segmentos a que a NBC News teve acesso, Rudy Giuliani, ex-autarca de Nova Iorque, e atualmente advogado de Trump, é apanhado num momento embaraçoso onde é visto com as mãos dentro das calças quando estava num hotel a dar uma entrevista sobre a pandemia. A cena tinha sido preparada por uma atriz que se fazia passar por jornalista e que o convidou para uma bebida num dos quartos do hotel. Giuliani reagiu mais tarde no Twitter onde escreveu que estava apenas a “colocar a camisa para dentro das calças”.
  • NASA confirma presença de água. A agência espacial dos EUA anunciou a descoberta de sinais de hidratação na superfície iluminada da Lua. De acordo com o comunicado da NASA, a água pode estar distribuída por toda a superfície lunar, e não apenas limitada a lugares frios e às escuras.

Nos negócios

  • Portugueses nas redes sociais. Um estudo divulgado esta semana concluiu que os portugueses passam em média 129 minutos por dia nas redes sociais, sendo o quinto país da União Europeia onde as pessoas passam mais tempo nestas plataformas. Segundo o documento, no ano passado, “48% dos cidadãos da UE utilizavam redes de sociais todos os dias ou quase todos os dias”, sendo que “o tempo médio diário de utilização – através de qualquer dispositivo – variou entre os 129 minutos por dia em Portugal e os 64 minutos na Alemanha”.
  • Chegou a Bolt Food. Depois das boleias, a Bolt anunciou um novo serviço que consiste na entrega de refeições a casa dos clientes, passando assim a concorrer com empresas já presentes no mercado português como a Uber Eats e a Glovo. Para poder usar este serviço os utilizadores têm de descarregar uma aplicação independente. Atualmente a empresa conta com a presença de 260 restaurantes da área de Lisboa.
  • Huawei perde liderança. A marca chinesa Huawei perdeu o título mundial na venda de telemóveis para a Samsung. No terceiro trimestre do ano, a Huawei registou uma queda de 23%. Por seu lado, a concorrente sul-coreana vendeu 80,2 milhões de dispositivos, uma subida homóloga de 2%.

Nota: A Google Trends é uma rubrica semanal, publicada aos fins de semana, que resume os temas mais populares da internet com base na ferramenta homónima da Google. É assinada pelo jornalista do ECO Tiago Lopes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google Trends: Do regresso polémico da F1 às medidas anti-Covid

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião