Prisa já vendeu 43,27% da Media Capital por 24,73 milhões de euros

A Prisa já executou a venda da maioria da sua posição na Media Capital. Recebe 24,73 milhões de euros pelas ações, ficando a faltar vender 21,2% da empresa.

A Media Capital tem novos acionistas. Numa nota enviada à CMVM, a espanhola Prisa confirma que executou esta segunda-feira a venda de 43,27% da Media Capital, ficando a faltar a alienação dos restantes 21,2% para completar a venda total das ações que detém no grupo de comunicação social e produção audiovisual português.

Está já confirmado que a Triun SGPS, do empresário Paulo Gaspar, administrador da Lusiaves, é um dos novos acionistas. O grupo confirmou à CMVM deter agora 23% da Media Capital, uma posição reforçada face aos 20% que a Triun tinha acordado inicialmente comprar à Prisa.

Foi também confirmado, num outro comunicado, que a Prisa também firmou a venda de 11,9725% da Media Capital à Biz Partners, um consórcio de vários investidores onde se inclui o conhecido cantor Tony Carreira. A holding é maioritariamente detida (em pouco mais de 33,4%) por uma empresa controlada por Miguel Osório Araújo.

“A transação foi levada a cabo através de transferências de blocos de ações independentes por um preço total de 24.732.919,96 euros”, informa a Prisa, de um total de 36,85 milhões de euros que a Prisa vai receber pela venda da totalidade dos 64,47%.

A Prisa vai ainda mais longe, garantindo que a operação avalia a Media Capital em 150 milhões de euros e tem em conta “um prémio de 63% face ao preço por ação oferecido pela Cofina na sua operação pública voluntária pelas ações da Media Capital”.

O grupo espanhol que também detém o El País refere, em nota enviada à CMVM, que este desinvestimento na Media Capital “vai significar uma perda contabilística nos resultados individuais e consolidados da Prisa de aproximadamente 48,5 milhões de euros”.

A identidade dos demais compradores da posição da Prisa deverá ser conhecida nas próximas horas. Entre eles estarão os nomes dos investidores que foram assinando contratos com a Prisa em setembro para a compra de ações da Media Capital, e onde se inclui, por exemplo, a apresentadora Cristina Ferreira, que entretanto voltou à antena da TVI.

O ECO sabe que os restantes 21,2% que a Prisa ainda não vendeu deverão ser vendidos em breve a dois acionistas, nomeadamente à CIN, que ficará com 11,2%, e a um consórcio encabeçado pela Polopiqué, que ficará com os restantes 10%.

Na nova composição acionista da Media Capital, a Pluris Investments deverá, assim, ficar com a maioria das ações, num total de 30,22% adquiridos em meados deste ano pelo empresário Mário Ferreira (que também é acionista do ECO).

(Notícia atualizada pela última vez às 20h26)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prisa já vendeu 43,27% da Media Capital por 24,73 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião