Bolsas dos EUA recuam com aumento das infeções

As bolsas norte-americanas apresentam perdas ligeiras, com o aumento das infeções nos EUA e na Europa a continuarem a condicionar as negociações.

Depois de terem passado de perdas a ganhos na sessão anterior, as bolsas norte-americanas voltam a começar o dia negociando abaixo da linha de água. Os três principais índices de Wall Street apresentam perdas ligeiras face aos receios em torno do aumento das infeções por Covid-19 nos EUA e na Europa.

Neste contexto, o S&P 500 perde 0,13%, para 3.577,27 pontos, enquanto o industrial Dow Jones cede 0,31%, para 29.392,87 pontos. O tecnológico Nasdaq recua 0,07%, para 11.896,11 pontos, depois do avanço de quase 1% na sessão anterior, perante a notícia de que Democratas e Republicanos deverão reatar as negociações para um novo pacote de estímulos económicos.

Até lá, o alastrar da pandemia sem apoios orçamentais aos cidadãos e às empresas são fatores que continuam a condicionar as negociações nos mercados de capitais. E nem mesmo a notícia de que a Pfizer deverá pedir autorização regulatória para uso limitado da sua vacina experimental contra o coronavírus já esta sexta-feira foi suficiente para animar as bolsas.

Os títulos da Apple estão a desvalorizar 0,41%, para 118,15 dólares. A Amazon cai 0,26%, enquanto a concorrente Alibaba soma 0,88%. No campo da tecnologia, destaque ainda para a queda de 0,28% da Microsoft em bolsa e o recuo de 0,81% das ações da fabricante de placas gráficas Nvidia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsas dos EUA recuam com aumento das infeções

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião