Uma a uma, em que pé estão as vacinas que Portugal vai receber?

Pfizer, Moderna, AstraZeneca, Johnson & Johson e CureVac. Uma a uma, saiba em que pé estão as vacinas contra a Covid-19 que Portugal deverá receber, e quantas doses.

O comentador da SIC Luís Marques Mendes revelou que Portugal está à espera para receber 22 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19, encomendas que estão condicionadas à aprovação das mesmas pelos reguladores, caso provem ser seguras.

A confirmação deverá chegar na quinta-feira à tarde, altura em que o Governo tenciona apresentar os detalhes do Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19.

Duas das vacinas poderão começar a chegar já em janeiro e fevereiro, nomeadamente a da Pfizer e a da Moderna, ambas já em fase de análise pelos reguladores. Mas em que pé está cada uma das vacinas que o país vai receber?

Pfizer e BioNTech

Foi a primeira a anunciar os resultados dos ensaios clínicos e terá uma eficácia a rondar os 95%. É uma vacina do tipo genético, o que significa que injeta material genético do novo coronavírus nas células para induzir a produção de proteínas e uma resposta imunitária do organismo. É uma vacina de duas tomas.

Quantas doses? Portugal deverá receber 4,5 milhões de doses, em entregas graduais, a começarem provavelmente em janeiro de 2021, revelou o comentador.

Em que fase? Esta vacina está já a ser analisada pelos reguladores europeus e norte-americanos, sendo que, segundo a imprensa britânica, poderá ser aprovada para uso de emergência no Reino Unido nos próximos dias. Após a aprovação, poderá começar a ser distribuída dentro de poucas horas, sendo já público que a United Airlines está a fretar voos para uma distribuição mais rápida das doses já produzidas.

Moderna

É a segunda candidata mais avançada e provou ter uma eficácia de quase 95% nos ensaios clínicos. A vacina da Moderna também é do tipo genético e a empresa pediu esta segunda-feira aprovação de emergência nos EUA.

Quantas doses? Portugal deverá receber 1,9 milhões de doses, a começar em fevereiro de 2021, segundo Luís Marques Mendes.

Em que fase? A aprovação já foi pedida nos EUA e na União Europeia e a empresa está pronta para iniciar a distribuição em meados de dezembro.

AstraZeneca e Universidade de Oxford

Esta é uma das vacinas mais promissoras, por ser barata e de distribuição e armazenamento mais simples do que as duas anteriores. Os ensaios clínicos mostraram que a vacina, que recorre a um vetor viral, tem eficácia a rondar os 70%, mas que pode chegar aos 90% seguindo um método de toma específico.

Quantas doses? Portugal tem a receber 6,9 milhões de doses da vacina, segundo o comentador da SIC.

Em que fase? A comunidade científica duvidou dos resultados da eficácia desta vacina, desde logo porque a taxa de eficácia de 90% foi o resultado de um erro na administração das vacinas num dos ensaios clínicos. Este facto deverá atrasar o processo e a Organização Mundial da Saúde já veio indicar que são precisos mais dados para que seja determinada a sua verdadeira segurança e eficácia.

Johnson & Johnson

A vacina da Johnson & Johnson é de toma única e os ensaios clínicos estão em curso. Recorre a um método de desenvolvimento de vacinas criado em Israel há uma década, usando um adenovírus chamado A26. É também, por isso, uma vacina de vetor viral.

Quantas doses? Portugal tem a receber 4,5 milhões de doses desta vacina.

Em que fase? Os ensaios clínicos estão em curso, esperando-se a divulgação de resultados mais perto do fim do ano.

CureVac

Deste conjunto, a vacina da CureVac é a que estará mais atrasada no seu desenvolvimento, estando em curso os ensaios clínicos, mas ainda em “fase 2”, num grupo mais restrito de voluntários.

Quantas doses? Portugal tem a receber quatro milhões de doses desta vacina.

Em que fase? Com os ensaios clínicos de “fase 2” em curso, espera-se que a CureVac possa avançar para ensaios clínicos de “fase 3” (a última antes do pedido de aprovação) durante o mês de dezembro. Os resultados já só deverão ser conhecidos em 2021.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uma a uma, em que pé estão as vacinas que Portugal vai receber?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião