Nosho e Tiger & Bean vencem 3.ª edição do From-Start-to-Table

A app para marcar mesas de última hora em restaurantes e a marca de produtos saudáveis para crianças e adultos foram os projetos vencedores do programa de aceleração promovido pela Startup Lisboa.

Uma aplicação que ajuda os clientes a encontrar uma mesa de última hora em restaurantes (Nosho) e uma marca que tem como missão criar alternativas mais saudáveis de produtos consumidos por miúdos e graúdos (Tiger & Bean) foram os projetos vencedores da 3.ª edição do programa de aceleração From-Start-to-Table, dedicado a negócios de inovação para restauração e promovido pela incubadora Startup Lisboa. Os dois projetos foram vencedores, respetivamente, nas categorias de “Tecnologia para Restauração” e “Conceitos de Restauração e Produtos de Food & Beverage Sustentáveis”.

Os vencedores foram escolhidos entre 24 projetos finalistas que participaram no programa. 63% dos participantes na edição deste ano são estrangeiros.

Criada pelos portugueses Tânia Figueiredo e Salvador Rodrigues, a Nosho é uma aplicação que tem como objetivo facilitar a marcação de mesa de última hora em restaurantes que são normalmente difíceis de obter reserva, ao mesmo tempo que reabastece lugares vazios em restaurantes. O objetivo do projeto é ajudar a resolver a questão da perda de receita dos restaurantes.

Já a Tiger & Bean foi desenvolvida pelo britânico Robert Brunt e pela sul-africana Dominique Maingard no sentido de criar produtos saudáveis para miúdos e graúdos, “como é o caso do famoso chocolate em pó e leite em chocolate, utilizando um produto desconhecido pelo mercado de massas, a junça”.

Este ano, o programa recebeu mais de 115 candidaturas, 51% na categoria de “Tecnologia para Restauração” e 49% na categoria de “Conceitos de Restauração e Produtos de Food & Beverage Sustentáveis”. Esta foi a primeira vez que o programa foi inteiramente em formato digital, devido aos constrangimentos decorrentes da pandemia. As equipas vencedoras recebem um prémio de 10 mil euros cada uma para ajudar a desenvolver os seus negócios.

“Conseguimos mobilizar um número muito significativo e relevante de pessoas e parceiros deste ecossistema que, com uma enorme generosidade, contribuíram com o seu saber e experiência para darem mentoria, inspirarem e, no fundo, apoiarem estes empreendedores e os seus negócios. Este acompanhamento próximo, a par do intenso trabalho desenvolvido pelos empreendedores, permitiram uma evolução consistente dos projetos, durante estas nove semanas”, explica Miguel Fontes, diretor executivo da Startup Lisboa, citado em comunicado.

Desenvolvido pela incubadora lisboeta, o From Start-to-Table é apoiado pelo Turismo de Portugal. Conta também com o apoio da Delta Cafés, entidade associada da Startup Lisboa, da Sociedade Central de Cervejas e da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nosho e Tiger & Bean vencem 3.ª edição do From-Start-to-Table

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião