Faturação: VdA, ML e PLMJ lideram. Mas com que critérios?

As 30 maiores firmas de advogados a operar em Portugal faturaram 538,83 milhões de euros em 2020, segundo dados estimados pela Iberian Lawyer. VdA, ML, PLMJ, Uría e Abreu estão no top 5.

Vieira de Almeida (VdA) com 70 milhões, Morais Leitão com 63 milhões, PLMJ com 56,3 milhões, Uría Menéndez – Proença de Carvalho com 36,2 milhões e Abreu com 33,6 milhões. Estes são os valores que constam na tabela apresentada pela publicação Iberian Lawyer relativa à faturação dos escritórios de advogados portugueses ou a operar em Portugal.

A publicação apresentou os resultados da faturação de 2020 das 30 maiores firmas, mas sem confirmação oficial dos escritórios, e sim através de valores estimados pela publicação, juntando dados das empresas/clientes. Segundo a mesma fonte, o ano de 2020 registou uma faturação no total de 538,83 milhões de euros, uma subida de 6,1% face a 2019. A Vieira de Almeida foi a sociedade que mais faturou em 2020, 70 milhões, e a Antas da Cunha Ecija foi a firma que registou um maior crescimento, cerca de 23%, entre as firmas que faturaram mais de 5 milhões.

Mas estes valores apenas refletem dados de faturação absoluta e, ao contrário de outros anos, não analisa a rentabilidade medida em termos de faturação por advogados e sócios.

O denominado “Magic Triangle” pela Iberian Lawyer — designação não oficial — que engloba as três firmas que ocupam os primeiros lugares nesta faturação em 2020 – a Vieira de Almeida (VdA), Morais Leitão e PLMJ – somou cerca de 189,3 milhões de euros, mais de um terço da faturação do top 30.

Em 2019, as maiores sociedades de advogados a operar em Portugal terminaram o ano com a faturação a atingir os 517,4 milhões de euros, estando a VdA a liderar a tabela com 66 milhões de euros. Segundo os novos dados, a firma liderada por João Vieira de Almeida volta a liderar, destacando-se com uma faturação de 70 milhões de euros, um crescimento de 6,1%, aponta a Iberian Lawyer. Este valor engloba o IVA.

O que pode também ser contestado, visto que os clientes estrangeiros, que são a larga maioria em alguns escritórios, não pagam IVA. Logo, alguns valores podem parecer superiores e outros inferiores, já que há sociedades que revelam valores com IVA e outras em IVA.

Em segundo lugar ficou a Morais Leitão com uma faturação estimada pela Iberian Lawyer de 63 milhões de euros, que se traduz num crescimento de 8,1% face a 2019. Em terceiro lugar surge a PLMJ com 56,3 milhões de euros, um crescimento de 5%.

Ainda no top 5, aparecem a Uría Menéndez – Proença de Carvalho, com 36,2 milhões de euros e a Abreu Advogados com 33,63 milhões de euros.

Comparativamente às restantes sociedades ibéricas a operar em Portugal e apesar do decréscimo de faturação, a Uría Menéndez – Proença de Carvalho ocupa o primeiro lugar, deixando para trás a Cuatrecasas, em sétimo lugar com 28,2 milhões de euros, a Garrigues, em nono lugar com 18,6 milhões de euros, a Gómez-Acebo & Pombo, em vigésimo lugar com 7,5 milhões de euros, e a Antas da Cunha Ecija, em vigésimo terceiro lugar com 5,8 milhões de euros.

No final da tabela encontra-se a Andersen Tax e Legal com um valor estimado de faturação de 2,9 milhões de euros, que se traduz num crescimento de 16%.

Ranking data com IVA. *Estimado pela Iberian Lawyer **Estimado pela Iberian Lawyer com IVA – Official net figures provided by Uría Menéndez – Proença de Carvalho (2020: €29.4M & 2019: €32.4M) and RRP Advogados (2020: €3.8M & 2019: €3.1M)

Antas da Cunha Ecija registou o maior crescimento

O maior crescimento entre as sociedades com um valor de faturação superior a 5 milhões de euros foi para a vigésima terceira classificada, a Antas da Cunha Ecija. A firma ibérica faturou em 2020 o valor de 5,8 milhões de euros, um aumento de 23% face a 2019.

No top 5 das firmas que tiveram um maior crescimento em 2020 estão ainda a Caiado Guerreiro, com 14,3%, a FCB Advogados, com 13,6%, a PRA, com 13%, e a Abreu Advogados, com um crescimento de 12,1%.

Fonte: Iberian Lawyer

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Faturação: VdA, ML e PLMJ lideram. Mas com que critérios?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião