Lisboa e Albufeira recuam. Em 25 concelhos há novas restrições

Lisboa e Albufeira vão recuar para o nível de Sesimbra no desconfinamento, dado o agravar da situação epidemiológica. Há mais 26 concelhos com mais restrições.

Lisboa vai mesmo dar um passo atrás no desconfinamento, confirmando, assim, o que se esperava e o que já vinha a ser sinalizado pelo Governo. O anúncio foi feito esta quinta-feira após reunião do Conselho de Ministros e, juntamente com a capital, outros 27 concelhos vão recuar. Este recuo traz novas medidas, e mais apertadas, numa altura em que a situação epidemiológica tem estado a piorar.

“Tanto na Área Metropolitana de Lisboa (AML), como no Alentejo e no Algarve, há territórios com níveis de risco mais grave”, começou por dizer a ministra do Estado e da Presidência, em conferência de imprensa, adiantando que há 26 concelhos que recuam no desconfinamento.

São eles: Alcochete, Almada, Amadora, Arruda dos Vinhos, Barreiro, Braga, Cascais, Grândola, Lagos, Loulé, Loures, Mafra, Moita Montijo, Odemira, Odivelas, Oeiras, Palmela, Sardoal Seixal, Setúbal, Sines, Sintra, Sobral de Monte Agraço a e Vila Franca de Xira. E ainda Albufeira e Lisboa, que descem para um patamar abaixo dos restantes concelhos, juntando-se, assim, a Sesimbra.

Com estes recuos, vêm medidas mais apertadas. Em Lisboa e Albufeira (incluindo Sesimbra), que estão “numa situação mais complexa”, os restaurantes, cafés e pastelarias encerram às 22h30 durante a semana e às 15h30 aos fins de semana e feriados, podendo apenas receber grupos de quatro pessoas no interior e de seis pessoas nas esplanadas. Supermercados fecham às 21h durante a semana e às 19h aos fins de semana e feriados, enquanto as lojas dos centros comerciais encerram às 21h à semana e às 15h30 aos fins de semana e feriados.

O teletrabalho é obrigatório quando as atividades assim o permitam e os espetáculos culturais decorrem até às 22h30. Casamentos e batizados passam de uma lotação máxima de 50% para 25% e a prática de atividade física ao ar livre só permitirá grupos de até seis pessoas. Acabam as aulas de grupo nos ginásios e eventos desportivos com público só para algumas modalidades.

Além disso, mantém-se a proibição de entrar e sair da AML aos fins de semana: a partir das 15h de sexta-feira até às 6h de segunda-feira. Contudo, há exceções, e o Governo acrescentou ainda a possibilidade de ficar de fora desta medida quando a pessoa tem a vacinação completa, recuperou da doença ou apresenta um teste negativo.

Nos restantes 25 concelhos que também recuam, as medidas passam a ser mais apertadas. Restaurantes, cafés e pastelarias podem funcionar até às 22h30, permitindo apenas grupos de seis pessoas no interior e de dez na esplanada. Supermercados encerram às 21h e os espetáculos culturais terminam às 22h30, enquanto casamentos e batizados ficam com 50% da lotação.

Com tudo isto, Portugal não avançou no processo de desconfinamento, que dava um novo “pulo” a 28 de junho. “Este recuo fez sempre parte das decisões políticas que o Governo tomou. No fundo, estamos a tomar uma decisão de acordo com o plano de desconfinamento que tínhamos aprovado”, disse Mariana Vieira da Silva, deixando em alerta outros 19 concelhos, incluindo o Porto e Faro.

Assim, para a generalidade do país, excluindo Sesimbra e os 27 concelhos que recuaram, aplicam-se as seguintes regras: o teletrabalho é recomendado nas atividades que o permitam. No comércio, os restaurantes, cafés e pastelarias podem receber pessoas (grupos de até seis pessoas no interior e dez pessoas na esplanada) até à meia-noite e encerram à 1h. Enquanto isso, os transportes públicos funcionam com lotação de dois terços ou com a totalidade da lotação nos transportes que funcionem exclusivamente com lugares sentados. Na cultura, os espetáculos culturais terminam à meia-noite e as salas de espetáculos têm uma lotação de 50%. Os recintos desportivos têm prevista 33% da lotação.

(Notícia atualizada às 16h21 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Lisboa e Albufeira recuam. Em 25 concelhos há novas restrições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião