Procura por perfis na área da sustentabilidade aumenta. Salários podem alcançar os 100.000€ anuais

Um head of ESG, por exemplo, pode ganhar até 100.000 euros brutos por ano. Já um head of diversity & inclusion pode receber até 70.000 euros anualmente.

A sustentabilidade tem sido uma das prioridades das organizações, que olham para este tema com uma importância estratégica para o desenvolvimento dos seus negócios. Este ano, esta área regista uma tendência significativa de crescimento, com um aumento da procura de profissionais, principalmente de perfis especializados para funções de direção. E os salários acompanham o crescimento, podendo alcançar os 100.000 euros brutos anuais, no caso de um perfil de head of environmental, social and governance (ESG), conclui a Michael Page no ebook “Talento e Sustentabilidade”.

“A necessidade de ir ao encontro das expectativas dos stakeholders e do público está a incentivar as empresas a assumir a sustentabilidade como um compromisso corporativo. Os objetivos de sustentabilidade global e de combate à pandemia estão a reforçar esta tendência, assim como a necessidade de uma nova liderança num ambiente empresarial em constante mudança. Por essa razão, além da criação de novas posições relacionadas com a sustentabilidade, os managers das empresas das várias áreas, desde os board members aos responsáveis de marketing, estão a assumir cada vez mais este compromisso”, afirma João Bernardo Gonçalves, senior manager da Michael Page Portugal, em comunicado.

O estudo da recrutadora mostra que a atração de talento na área da sustentabilidade — motivada por fatores que se prendem com a resposta ambiental, social e económica, por parte das empresas perante os desafios da pandemia e dos objetivos definidos pela agenda da ONU — tem provocado uma mudança positiva na visão dos líderes face à implementação dos processos de sustentabilidade de forma transversal em todas as funções corporativas.

A Michael Page dispõe atualmente de uma série de ofertas de emprego dedicadas à área da sustentabilidade, nomeadamente no setor das energias renováveis e organizações não governamentais (ONG). As empresas dos setores industriais, energético, smart solutions e mobilidade são as que mais procuram estas novas funções.

Salários até 100.000 euros por ano

No âmbito da gestão da sustentabilidade corporativa, destacam-se os perfis de head ofESG, sustainable development manager ou head of diversity & inclusion, em que as remunerações oscilam entre os 70.000 e os 100.000 euros, 45.0000 a 60.000 euros e 50.000 a 70.000 euros anuais, respetivamente, em empresas com faturação entre 20 e os 250 milhões de euros.

Já as competências mais importantes para estas funções exigem visão estratégica do desenvolvimento sustentável a um nível empresarial, financeiro, social/pessoas e globalização/inclusão, excelentes competências interpessoais e de comunicação, abordagem prática/analítica, capacidade de tomar decisões importantes e, por vezes, sob pressão. Em termos de qualificações, os candidatos com mestrado em escolas de negócio e de gestão, MBA ou formação online, apresentam-se como diferenciadores, salienta a Michael Page.

Para além destas funções emergentes na área da sustentabilidade corporativa, a empresa especialista em recursos humanos destaca outras posições já existentes e que se estão a tornar agentes de mudança, entre as quais a de headof business unit, product development manager, strategy development manager e operation project manager.

“Todas estas funções requerem novos perfis de liderança com uma visão sustentável, experiência prévia e mentalidade de crescimento, e poderão contribuir para alinhar a missão de sustentabilidade corporativa definida”, esclarece a companhia.

A análise da Michael Page revela ainda que são cada vez mais as empresas que recorrem às categorias de sustentabilidade como base para os seus modelos de negócio e estratégias e conclui que as organizações que colocam a sustentabilidade, a todos os níveis, nas suas prioridades, posicionam-se melhor para atrair capital e talento.

Consulte mais informação sobre as ofertas de emprego na área da sustentabilidade aqui.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Procura por perfis na área da sustentabilidade aumenta. Salários podem alcançar os 100.000€ anuais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião