Teletrabalho e bem-estar. Afinal, o que estamos a fazer mal?

Ainda que muitos estudos mostrem que somos mais eficientes a trabalhar a partir de casa, muitos profissionais acabam por trabalhar mais horas e em piores condições.

Trabalhar a partir de casa ou de qualquer outro lugar pode potenciar a produtividade. Esta é a conclusão de vários estudos e é também a opinião de inúmeros especialistas. No entanto, quando a pandemia obrigou a grande maioria dos profissionais a converterem as suas casas nos seus espaços de trabalho, poucos foram aqueles que passaram a trabalhar, pelo menos numa primeira fase, em ambientes saudáveis e propícios a alcançar esses níveis de produtividade e felicidade. Com espaços pouco ou nada preparados para longas jornadas de trabalho, o bem-estar — seja ele físico, mental ou emocional — ficou, quase sempre, prejudicado.

Silvia Rivela, arquiteta e fundadora da Dowe, acredita que o espaço em que se trabalha influencia diretamente os três tipos de bem-estar das pessoas. Para isso, a especialista em gestão de mudança, nomeadamente em inovação e novas formas de trabalhar aplicadas a espaços físicos de trabalho, que desde 2016 que ajuda empresas e startups a adaptarem e transformarem os seus espaços de trabalho, propõe a incorporação de uma série de práticas e dinâmicas que melhorarão o teletrabalho e, consequentemente, cada uma das dimensões do bem-estar.

Bem-estar físico

No caso do bem-estar físico, há algumas recomendações, como ter uma cadeira ergonómica e uma boa iluminação, que são mais conhecidas do que outras.

  • Levantar-se a cada duas horas

Dor lombar, hérnias, contraturas… Estas são apenas algumas das consequências que podem ser desencadeadas por permanecer oito horas por dia na mesma posição. Segundo a especialista, não convém permanecer sentado na mesma posição mais do que duas horas. Por isso mesmo, a cada par de horas tente levantar-se durante entre cinco a dez minutos.

Para garantir que realmente se levanta, existem alguns truques que pode aplicar: ter a papeleira longe do seu posto de trabalho ou utilizar um copo de água em vez de uma garrafa, para assegurar que se levanta mais vezes para enchê-lo.

  • Intercale as suas posturas

Experimente intercalar posturas. Quem disse que só pode trabalhar sentado? Experimente variar e trabalhar também de pé. Para isso, Silvia Rivela deixa alguns truques: use elementos verticais, como um quadro para fazer anotações; uma mesa de trabalho mais alta; ou até a tábua de passar a ferro.

  • Tenha reuniões em movimento

Além de contribuir para evitar o sedentarismo laboral, ter uma reunião enquanto se caminha também ativa o cérebro e potencia até a criatividade. “Também não é conveniente que a reunião se prolongue por mais de meia hora. O mesmo para conversas telefónicas”, alerta a especialista, citada pelo Emprendedores.

  • Sente-se numa posição correta

Além de uma cadeira e uma mesa de trabalho adequadas, pode ser benéfico alternar, de vez em quanto, o local onde se senta. Uma bola de pilates, que obriga a manter uma postura correta e a fortalecer os músculos das costas, pode ser uma opção interessante.

  • Alongue

Se tem pela frente uma jornada de trabalho de seis horas ou mais, Silvia Rivela recomenda que faça exercícios de alongamentos antes e depois, tal como se de uma maratona se tratasse.

Bem-estar mental

Para potenciar o bem-estar mental, que nos conduz à concentração e à produtividade, a especialista recomenda:

  • Elimine fatores de stress externos

Por fatores de stress externos entende-se contaminação acústica ou luminosa que altera o nosso estado de concentração.

  • Opte por espaços fechados ou semifechados

“Para evitar distrações, é preferível que esteja em espaços fechados ou semifechados, mas procurando a entrada de ar fresco e a luz natural.”

  • Amplie o campo de visão

“Muitas vezes, improvisamos o escritório colocando uma mesa em frente a uma parede. Trabalhamos como se estivéssemos de castigo”, diz Silvia Rivela. O mais aconselhável, defende, é trabalhar com vista para uma janela que nos conecte com o mundo exterior, “mas sem que isso provoque desconcentração”.

Posicionar a mesa de trabalho desta forma permitirá, além disso, levar a cabo outras recomendações da expert, como desviar o olhar do computador a cada 20 minutos e olhar para o horizonte ou um ponto longínquo, de forma a relaxar a vista.

  • Incorpore elementos de biofilia

“É a ciência que estuda a conexão do ser humano com a natureza. Está demonstrado que, quando em frente ao mar ou em redor da natureza, os níveis de stress das pessoas tendem a diminuir de forma natural. Obviamente que nem sempre podemos trabalhar em espaços assim, mas podemos introduzir alguns dos seus elementos, como plantas, sons que recordem a natureza ou até luzes que a simulem. Existem até lâmpadas que replicam os movimentos das folhas das árvores.”

  • Elimine a desordem

Ainda que alguns profissionais se consigam organizar no seu próprio caos, a maioria funciona melhor em espaços organizados e limpos.

  • Informe sobre o seu horário de trabalho

É ainda recomendável que informe a sua família ou as pessoas com quem partilha casa de que não convém incomodá-lo em determinadas horas. Rivela sugere que utilize elementos que avisem os seus companheiros de casa de que está ocupado, tais como uma bandeira vermelha ou um simples cartão, como aqueles que se colocam nas portas dos quartos de hotel a pedir para não incomodar.

Bem-estar emocional

O objetivo da inteligência emocional não é reprimir as emoções, mas sim aprender a geri-las em situações em que as emoções parecem incontroláveis, utilizando técnicas e estratégias que nos permitem refletir e pensar na melhor opção. Segundo um estudo da Capgemini, a produtividade pode aumentar até 20% quando os elementos de uma equipa utilizam têm, realmente, inteligência emocional.

“Ao longo do dia, qualquer pessoa pode experimentar várias emoções, como raiva, desconfiança, tristeza, solidão, euforia… Muitas acabam por influenciar a nossa relação com outras pessoas”, diz Silvia Rivela.

saude mental nas empresas
Estes são os conselhos da especialista neste campo:

  • Estabeleça fronteiras

Trabalhando a partir de casa torna-se fundamental distinguir o que é o seu espaço de trabalho e o espaço destinado ao descanso e lazer. “Se decidir que a sua cama serve apenas para dormir e relaxar, é recomendável que nunca ligue o computador na cama”, exemplifica a fundadora da Dowe.

  • Desmonte o escritório quando acaba a jornada

Ainda que isto dependa muito do espaço disponível de cada pessoa. Se tiver uma divisão da casa dedicada ao trabalho, talvez esta sugestão não faça sentido. No entanto, se trabalha na mesa de jantar da sala ou mesmo na cozinha ou no quarto, “é conveniente que, uma vez finalizado o dia de trabalho, retire da sua vista todas as ferramentas laboral e que as guarde até ao dia seguinte”.

  • Crie dinâmicas de conexão

Para evitar o sentimento de isolamento, bem como a possível perda de compromisso ou motivação, invista em dinâmicas de grupo que proporcionem esse contacto, seja físico ou virtual, e voltem a conectar a sua equipa.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Teletrabalho e bem-estar. Afinal, o que estamos a fazer mal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião