As escolhas de… Tânia Cascais

Tânia Cascais é sócia da Miranda & Associados e conta com experiência essencialmente nas áreas de societário & comercial, investimento estrangeiro, fusões & aquisições, energia e marítimo.

Na edição de janeiro da revista Advocatus, Tânia Cascais, sócia da Miranda & Associados, com experiência essencialmente nas áreas de societário & comercial, investimento estrangeiro, fusões & aquisições, energia e marítimo, partilhou as suas escolhas.

Estas são as suas escolhas!

O livro favorito

Tenho vários e alguma dificuldade em escolher apenas um. Destaco “Se numa noite de inverno um viajante” do Italo Calvino e “O Mundo Ardente” da Siri Hustvedt. Dois livros mágicos que aconselho vivamente.

O filme que nunca perde…

Mais uma resposta difícil. Gostei muito do “Underground”, do Emir Kusturica, e mais recentemente, do “Interstellar”, do Christopher Nolan. São filmes muito diferentes em quase tudo – um é uma comédia política, o outro é um filme de ficção científica – e há um intervalo de quase 20 anos entre eles, mas curiosamente ambos abordam de uma forma absolutamente genial a dicotomia espaço-tempo.

Uma série de sempre…

Desde que acabou a Guerra dos Tronos que não sou fiel a nenhuma série, mas gosto de ir vendo e revendo os episódios da série Father Brown que vão passando na Fox Crime.

A viagem de eleição…

Viagem à Rússia, em outubro de 2011.

Uma memória…

Lembro-me muito bem da primeira vez que fui a Angola (2004) e conheci os meus colegas do escritório da Fátima Freitas. Eu já estava na Miranda há algum tempo e poder finalmente conhecer pessoalmente os advogados com quem trabalhava numa base diária mas a tantos quilómetros de distância foi algo que me marcou. Estive lá um mês. Foi em julho, o mês dos meus anos.

Na secretária nunca falta(m)…

Papel e caneta. Sou muito a favor da tecnologia mas ainda imprimo e sublinho à mão.

A primeira coisa que faz quando acorda…

Como muitos advogados que conheço, uma das primeiras coisas que faço quando acordo é consultar emails

O primeiro despertador toca às…

Toca entre as 4 e as 5 da manhã. É o meu filho João que tem 4 meses.

Para começar bem o dia nada melhor do que…

Ser um fim de semana de sol para ir passear com a família e os cães à praia ou a Monsanto.

A primeira coisa que faz quando chega a casa…

Abraço os meus filhos.

Os tempos livres são para…

Passear pelas ruas de Lisboa (que está cada vez mais bonita), refugiar-me num bom livro, ver um filme no cinema, ir jantar a um restaurante com ou sem estrela Michelin.

Um lema de vida…

Quem não sai de sua casa (…) cria mil olhos para nada (Irene Lisboa).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

As escolhas de… Tânia Cascais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião