A responsabilidade social compensa, em tempos de Covid-19?

  • Gonçalo Tavares Gomes
  • 16 Março 2020

Fora da Portaria nº 71-A/2020 ficam as empresas que tomem a iniciativa de encerrar portas, não por qualquer quebra de faturação, mas, pura e simplesmente, por imperativo cívico, de saúde pública.

Foi publicado este domingo, em Diário da República, a Portaria nº 71-A/2020, que define e regulamenta os termos e as condições de atribuição dos apoios imediatos de caráter extraordinário, temporário e transitório, destinadas aos trabalhadores e empregadores afetados pelo surto do vírus Covid-19, tendo em vista a manutenção dos postos de trabalho e mitigar situações de crise empresarial.

Para esse efeito, a Portaria considera como de crise empresarial as seguintes situações:

  • A paragem total da atividade da empresa ou estabelecimento que resulte da interrupção das cadeias de abastecimento globais, da suspensão ou cancelamento de encomendas;
  • A quebra abrupta e acentuada de, pelo menos, 40% da faturação, com referência ao período homólogo de três meses, ou, para quem tenha iniciado a atividade há menos de 12 meses, à média desse período.

Fora desta medida ficam, assim, as empresas que tomem a iniciativa de encerrar portas, não por qualquer quebra de faturação provocada pelo surto do vírus Covid-19, mas, pura e simplesmente, por imperativo cívico, de saúde pública. Ainda que se conceda que este possa ter sido um esquecimento próprio de quem é forçado pela voracidade das circunstâncias a produzir legislação apressadamente, o que é facto é que, ainda que inconscientemente, o Governo não só está a abrir a porta a que algumas empresas reconduzam situações de quebra já existentes a este surto, para dele se poderem beneficiar, como, mesmo que ainda não seja esse o caso, lhes está a dar o sinal de que devem manter os seus estabelecimentos abertos e esperar até ter quebras nas vendas para poderem beneficiar destes apoios, o que não deixa de ser inusitado, num tempo em que a palavra de ordem é isolamento.

Por ora, a alternativa para as empresas cuja atividade não seja compatível com o regime de teletrabalho e que, independentemente de quaisquer suspeitas de contágio ou de quebras de faturação, pretendam encerrar os seus estabelecimentos, para salvaguarda dos seus trabalhadores e dos seus clientes, será, pois, recorrer ao regime do encerramento temporário previsto no Código do Trabalho, que garante aos trabalhadores 75% da remuneração, como aliás recorda o n.º 2 do artigo 2.º da Portaria, quando remete para a alínea a) do n.º 1 do artigo 309.º daquele diploma. Sucede que os tempos de emergência que vivemos não se compadecem com os prazos e com os constrangimentos financeiros impostos por esse regime.

Desde logo, ele implica que os trabalhadores sejam informados com uma antecedência não inferior a 15 dias (ainda que se admita que, sendo esta inviável, o sejam apenas logo que possível) e concede à comissão de trabalhadores, caso exista, a possibilidade de emitir parecer sobre o encerramento no prazo de 10 dias. Acresce que as empresas ficam obrigadas a prestar caução que garanta o pagamento de retribuições em mora, caso existam, de retribuições referentes ao período de encerramento e ainda de compensações por despedimento. Por fim, impede ainda as empresas de praticarem qualquer dos atos previstos no artigo 313.º do Código do Trabalho enquanto o encerramento perdurar.

Pensado, essencialmente, para acautelar os créditos laborais dos trabalhadores afetados pelo encerramento, fica, pois, claro que este regime do encerramento temporário não só não capta a excecionalidade da situação que vivemos, como, ironicamente, acaba por penalizar, precisamente, as empresas que optaram por promover medidas de isolamento social através do respetivo encerramento.

Com efeito, enquanto que estas empresas são oneradas pela prestação de uma caução, num momento em que não têm qualquer faturação e precisam, por isso, de ver a sua tesouraria aliviada, as empresas abrangidas pela Portaria n.º 71-A/2020 – que, nalguns casos, poderão até continuar a laborar -, não só ficam apenas com um encargo de 30% do salários dos trabalhadores (já de si reduzido a dois terços durante a vigência desta medida) como ainda beneficiam de isenção temporária do pagamento de contribuições para a Segurança Social. Nestes tempos incertos, em que as medidas de contingência se sucedem de dia para dia, resta pois àquelas aguardar que a sua responsabilidade social seja premiada pelas medidas que, eventualmente, venham a acompanhar a inevitável declaração de emergência nacional.

*Gonçalo Tavares Gomes é sócio da FLRP Advogados.

  • Gonçalo Tavares Gomes
  • Sócio da FLRP Advogados

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A responsabilidade social compensa, em tempos de Covid-19?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião