A responsabilidade social compensa, em tempos de Covid-19?

  • Gonçalo Tavares Gomes
  • 16 Março 2020

Fora da Portaria nº 71-A/2020 ficam as empresas que tomem a iniciativa de encerrar portas, não por qualquer quebra de faturação, mas, pura e simplesmente, por imperativo cívico, de saúde pública.

Foi publicado este domingo, em Diário da República, a Portaria nº 71-A/2020, que define e regulamenta os termos e as condições de atribuição dos apoios imediatos de caráter extraordinário, temporário e transitório, destinadas aos trabalhadores e empregadores afetados pelo surto do vírus Covid-19, tendo em vista a manutenção dos postos de trabalho e mitigar situações de crise empresarial.

Para esse efeito, a Portaria considera como de crise empresarial as seguintes situações:

  • A paragem total da atividade da empresa ou estabelecimento que resulte da interrupção das cadeias de abastecimento globais, da suspensão ou cancelamento de encomendas;
  • A quebra abrupta e acentuada de, pelo menos, 40% da faturação, com referência ao período homólogo de três meses, ou, para quem tenha iniciado a atividade há menos de 12 meses, à média desse período.

Fora desta medida ficam, assim, as empresas que tomem a iniciativa de encerrar portas, não por qualquer quebra de faturação provocada pelo surto do vírus Covid-19, mas, pura e simplesmente, por imperativo cívico, de saúde pública. Ainda que se conceda que este possa ter sido um esquecimento próprio de quem é forçado pela voracidade das circunstâncias a produzir legislação apressadamente, o que é facto é que, ainda que inconscientemente, o Governo não só está a abrir a porta a que algumas empresas reconduzam situações de quebra já existentes a este surto, para dele se poderem beneficiar, como, mesmo que ainda não seja esse o caso, lhes está a dar o sinal de que devem manter os seus estabelecimentos abertos e esperar até ter quebras nas vendas para poderem beneficiar destes apoios, o que não deixa de ser inusitado, num tempo em que a palavra de ordem é isolamento.

Por ora, a alternativa para as empresas cuja atividade não seja compatível com o regime de teletrabalho e que, independentemente de quaisquer suspeitas de contágio ou de quebras de faturação, pretendam encerrar os seus estabelecimentos, para salvaguarda dos seus trabalhadores e dos seus clientes, será, pois, recorrer ao regime do encerramento temporário previsto no Código do Trabalho, que garante aos trabalhadores 75% da remuneração, como aliás recorda o n.º 2 do artigo 2.º da Portaria, quando remete para a alínea a) do n.º 1 do artigo 309.º daquele diploma. Sucede que os tempos de emergência que vivemos não se compadecem com os prazos e com os constrangimentos financeiros impostos por esse regime.

Desde logo, ele implica que os trabalhadores sejam informados com uma antecedência não inferior a 15 dias (ainda que se admita que, sendo esta inviável, o sejam apenas logo que possível) e concede à comissão de trabalhadores, caso exista, a possibilidade de emitir parecer sobre o encerramento no prazo de 10 dias. Acresce que as empresas ficam obrigadas a prestar caução que garanta o pagamento de retribuições em mora, caso existam, de retribuições referentes ao período de encerramento e ainda de compensações por despedimento. Por fim, impede ainda as empresas de praticarem qualquer dos atos previstos no artigo 313.º do Código do Trabalho enquanto o encerramento perdurar.

Pensado, essencialmente, para acautelar os créditos laborais dos trabalhadores afetados pelo encerramento, fica, pois, claro que este regime do encerramento temporário não só não capta a excecionalidade da situação que vivemos, como, ironicamente, acaba por penalizar, precisamente, as empresas que optaram por promover medidas de isolamento social através do respetivo encerramento.

Com efeito, enquanto que estas empresas são oneradas pela prestação de uma caução, num momento em que não têm qualquer faturação e precisam, por isso, de ver a sua tesouraria aliviada, as empresas abrangidas pela Portaria n.º 71-A/2020 – que, nalguns casos, poderão até continuar a laborar -, não só ficam apenas com um encargo de 30% do salários dos trabalhadores (já de si reduzido a dois terços durante a vigência desta medida) como ainda beneficiam de isenção temporária do pagamento de contribuições para a Segurança Social. Nestes tempos incertos, em que as medidas de contingência se sucedem de dia para dia, resta pois àquelas aguardar que a sua responsabilidade social seja premiada pelas medidas que, eventualmente, venham a acompanhar a inevitável declaração de emergência nacional.

*Gonçalo Tavares Gomes é sócio da FLRP Advogados.

  • Gonçalo Tavares Gomes
  • Sócio da FLRP Advogados

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A responsabilidade social compensa, em tempos de Covid-19?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião