Ruído no debate sobre a morte assistida

Diferenças à parte, todos os projectos têm como objectivo a despenalização de quem ajuda e é nesse ponto que o debate deveria estar centrado. Quase tudo o resto é ruído.

Há sempre pessoas que num dado momento estão saudáveis e há aquelas que padecem de uma qualquer doença. As propostas de lei em discussão não se destinam às primeiras. Para essas nada se altera.

De entre as pessoas doentes, algumas têm doenças que são sanáveis, outras têm doenças para as quais não há qualquer expectativa de cura. As propostas de lei em discussão não se destinam às primeiras. Para essas nada se altera.

De entre as pessoas que sofrem com doenças incuráveis, há aquelas que mantêm toda ou alguma autonomia e há outras que, infelizmente, estão dependentes de terceiros para realizar qualquer tarefa, por mais simples que seja. As propostas de lei em discussão não se destinam às primeiras. Para essas nada se altera.

Podemos dividir as pessoas que estão dependentes da ajuda de terceiros para sobreviver em dois grupos: aquelas cuja dor física é limitada e aquelas que padecem de um sofrimento intolerável. As propostas de lei em discussão não se destinam às primeiras. Para essas nada se altera.

Entre as pessoas que estão dependentes da ajuda de terceiros para viver, padecendo de um sofrimento intolerável há aquelas que aceitam o seu estado com resignação e há outras que consideram a sua situação inadmissível. As propostas de lei em discussão não se destinam às primeiras. Para essas nada se altera.

Entre as pessoas que estão dependentes da ajuda de terceiros para viver, padecendo de um sofrimento intolerável e que consideram a sua situação inadmissível, há aquelas que admitem prolongar o seu estado recebendo cuidados paliativos e há as que entendem, como cidadãos informados e apesar de tudo livres na sua consciência, que é preferível acabar com o sofrimento, antecipando a morte. As propostas de lei em discussão não se destinam às primeiras. Para essas nada se altera.

Entre estes cidadãos fragilizados que desejam acabar com um sofrimento intolerável, há os que decidem, ainda assim, nunca pedir ajuda a ninguém para pôr fim à sua dor. Também há aqueles que pretendem tomar a iniciativa de o fazer. As propostas de lei em discussão não se destinam aos primeiros. Para esses nada se altera.

Estamos a debater os possíveis casos de cidadãos com doença incurável e sofrimento intolerável, sem qualquer expectativa de retorno a uma situação de vida que considerem suportável e que, usando uma última sobra da sua liberdade, tomam a iniciativa de pedir ajuda para antecipar a sua morte. Entre os destinatários do pedido de ajuda, há dois tipos de pessoas. Os que recusam ajudar e os que aceitam ajudar. As propostas de lei em discussão não se destinam às que não querem ajudar. Para essas nada se altera.

As propostas de lei em discussão pretendem estabelecer as condições em que alguém não deva ser penalizado por ajudar um cidadão fragilizado por doença incurável, privado de autonomia, suportando dores intoleráveis, sem qualquer expectativa de retorno a uma situação de vida que considere digna e que teve a coragem de pedir ajuda para antecipar a sua morte.

Há propostas que restringem cuidadosamente as circunstâncias dessa ajuda, que acautelam ao limite as condições em que o pedido de ajuda é válido e que defendem ao máximo a possibilidade de arrependimento do doente e de quem o ajuda, como, por exemplo, a da Iniciativa Liberal.

Outras são menos cuidadosas e deixam no ar conceitos vagos, como o da “incapacidade clínica”, são incapazes de esconder o seu enviesamento ideológico, como aquela que limita os procedimentos ao Serviço Nacional de Saúde. Há ainda projectos que criam obrigações indesejáveis para profissionais de saúde, forçando-os a justificar objeções de consciência caso pretendam desistir da ajuda.

Mas, diferenças à parte, todos os projectos têm como objectivo a despenalização de quem ajuda e é nesse ponto que o debate deveria estar centrado. Quase tudo o resto é ruído.

Nota: Por opção própria, o autor não escreve segundo o novo acordo ortográfico.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Ruído no debate sobre a morte assistida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião