Solução para o malparado? Há obstáculos, diz o BPI

O Governo está a preparar uma solução para resolver o malparado da banca. O BPI diz que haverá "obstáculos" ao plano que visa aliviar o setor financeiro.

Governo quer avançar com um plano para solucionar o problema do malparado da banca portuguesa. Esse plano poderá passar pela venda desses ativos tóxicos ao valor a que estão no balanço, podendo os investidores serem compensados pelo setor, ora em dinheiro, ora em capital dos respetivos bancos. O BPI diz que haverá “obstáculos” à solução. Identifica três.

A venda dos ativos não rentáveis tem como primeiro obstáculo, segundo o banco de investimento, “a capacidade de atrair investidores privados para esses ativos“, especialmente tendo em conta que o preço a pagar seria aquele a que estes estão no balanço dos bancos para evitar a necessidade de reforço de capital da banca. O crédito malparado da banca está avaliado em cerca de 18 mil milhões de euros, dos quais cerca de 15 mil milhões das empresas.

Outro obstáculo é a leitura que o regulador poderá fazer desta solução. A dúvida é “se o regulador permitiria que a venda destes ativos tendo em conta que os bancos continuariam a estar expostos a riscos em caso de desvalorização adicional dos mesmos” caso o modelo exija o pagamento em dinheiro da diferença em oposição à compensação dos investidores em capital.

O último obstáculo é: se for permitido aos bancos retirar estes ativos do balanço, “o risco contabilístico e de tratamento dado aos ativos ponderados pelo risco que pode resultar das garantias dadas aos investidores, pode acabar por penalizar o capital” dos bancos.

O BPI nota ainda que esta solução “iria trazer elevada incerteza para os atuais acionistas dos bancos tendo em conta a possível diluição resultante da possível ativação das garantias”. Ou seja, os investidores poderão vir a receber ações dos bancos o que, a acontecer, levará à diluição das posições dos atuais acionistas.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Solução para o malparado? Há obstáculos, diz o BPI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião