Portabilidades: Nos condenada a pagar 5,3 milhões euros à Meo

A operadora foi condenada em setembro a ressarcir a Meo em 5,3 milhões de euros por atrasos no envio de documentação relativa a portabilidades. Caso remonta a 2011 e a operadora vai recorrer.

A operadora Nos NOS 0,00% foi condenada pelo Tribunal Judicial de Lisboa a pagar “aproximadamente 5,3 milhões de euros” à Meo no âmbito de um processo por “alegadas portabilidades indevidas” que remonta a 2011, antes mesmo da fusão Zon/Optimus e do rebranding que, da Tmn, fez nascer a Meo. A notícia foi avançada pelo Jornal de Negócios e confirmada pelo ECO.

Segundo consta no Relatório e Contas relativo ao terceiro trimestre (página 98), o processo diz respeito ao período entre março de 2009 e julho de 2011. A Meo terá pedido uma indemnização no valor de 10,3 milhões de euros à operadora de Miguel Almeida, “a título de compensação” por essas portabilidades, lê-se no relatório. Nessa altura, a Nos contestou.

O tribunal terá, depois, julgado “sem efeito” esse mesmo pedido. No entanto, em setembro deste ano, a operadora acabou por ser condenada ao pagamento de 5,3 milhões de euros, não pela “existência de portabilidades indevidas”, mas pelo “mero atraso no envio de documentação”. A empresa informa ainda que vai recorrer da decisão.

E vice-versa

A questão das portabilidades entre as operadoras não é nova e a guerra judicial vai muito além da sentença proferida em setembro contra a Nos. É que, também em 2011, a Nos interpôs um processo contra a Meo, reclamando uma indemnização de 22,4 milhões de euros por alegadas violações do Regulamento da Portabilidade pela Meo.

Segundo a Nos, em causa está o “avultado número de recusas injustificadas de pedidos de portabilidade por aquela operadora” entre fevereiro de 2008 e fevereiro de 2011. O processo ainda está em curso, pelo que se desconhece o seu desfecho. A empresa garante existirem, “em termos substantivos, boas probabilidades de a Nos poder obter vencimento na ação”, apontando que a concorrente já foi “condenada” pela Anacom “pelos mesmos ilícitos”.

No entanto, se a operadora perder o processo, admite que terá à sua responsabilidade “custas processuais” que poderão ascender a um milhão de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portabilidades: Nos condenada a pagar 5,3 milhões euros à Meo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião