easyJet reforça aposta na Madeira e quer ultrapassar o meio milhão de passageiros

A companhia aérea lowcost acaba de lançar a rota Funchal-Basileia, com a qual vai passar a ter disponíveis mais 15 mil lugares para voar de e para a Madeira.

A easyJet está a apostar em força na Madeira. Esta terça-feira, lançou a rota Funchal-Basileia, o primeiro voo internacional que oferece da Madeira para fora do Reino Unido, e, ao longo do próximo ano, quer reforçar a oferta na ilha com 100 mil novos lugares, com o objetivo de ultrapassar a marca de meio milhão de passageiros no destino.

A ligação Funchal-Basileia, com um voo semanal, à terça-feira, vai disponibilizar cerca de 15 mil lugares, por ano, entre os dois destinos. Além destes 15 mil, e durante o próximo ano fiscal, que termina em setembro de 2017, vai acrescentar 15 mil lugares à rota Funchal-Londres e outros 70 mil à oferta doméstica (que liga a Madeira a Lisboa e ao Porto).

"A rota Funchal-Basileia vai ajudar-nos a ultrapassar o objetivo de voar mais de meio milhão de passageiros este ano.”

José Lopes

Diretor da easyJet para Portugal, ao ECO

Contas feitas, serão 100 mil novos lugares disponíveis para voar de e para a Madeira. “O lançamento desta nova rota celebra o compromisso que a easyJet tem com a ilha da Madeira e com o aeroporto do Funchal, sendo uma ligação que permite testar os mercados francês, suíço e alemão, uma vez que este euro-aeroporto serve as cidades de Mulhouse, Basileia e Fraiburgo”, diz ao ECO José Lopes, diretor da easyJet para Portugal.

E “esta é uma das rotas que nos irá ajudar a ultrapassar o nosso objetivo de voar mais de meio milhão de passageiros este ano” na Madeira, acrescenta. No passado ano fiscal, a lowcost britânica transportou 478 mil passageiros de e para a Madeira, valor que representou um crescimento homólogo de 15%.

Este “crescimento será essencialmente feito através do reforço das rotas existentes”, detalha ainda José Lopes.

Terceira não está nos planos

Fora dos planos da easyJet está o reforço da aposta nos Açores. Atualmente, a lowcost liga Ponta Delgada a Lisboa, com quatro frequências semanais. Mas, ao contrário da concorrente Ryanair, que acaba de inaugurar as ligações de Lisboa e Porto à Terceira, a easyJet não tem interesse nestas rotas.

"O mercado dos Açores foi liberalizado há pouco tempo e tem amadurecer.”

José Lopes

Diretor da easyJet para Portugal, ao ECO

“O mercado dos Açores foi liberalizado há pouco tempo e tem de amadurecer. Ainda não estão reunidas as condições de mercado e operacionais para que tal suceda”, justifica José Lopes ao ECO.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

easyJet reforça aposta na Madeira e quer ultrapassar o meio milhão de passageiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião