Lixo, imagiologia e algicidas dão prémios a PME portuguesas

Biomimetx, Perceived3D e Bluemater são as três novas PME portuguesas que vão receber um apoio de 4,7 milhões de euros no âmbito do Horizonte 2020.

A Comissão Europeia divulgou os últimos resultados do Programa de Investigação Horizonte 2020. Há mais três PME portuguesas selecionadas para receber o apoio do instrumento coordenado pelo comissário Carlos Moedas: Perceive3D, BioMimetx e Bluemater. Vão receber um total de 4,7 milhões de euros.

No total foram selecionadas 71 PME de 22 países. Portugal viu aprovadas três candidaturas, mas houve 30 propostas, o que significa que a taxa de aprovação foi de 10%, “mais do dobro da média europeia que se ficou pelos 4,3%”, sublinhou a Agência Nacional de Inovação (ANI) em comunicado. “As PME portuguesas captaram 4,6% do financiamento disponível, um valor muito acima dos 1,5%, a referência que tínhamos até aqui”, acrescenta a ANI.

Mas que empresas são estas? A Comissão Europeia descreve-as:

  • A Biomimetx, de Cantanhede, descobriu uma bactéria única que “excreta elevados níveis de moléculas que podem ser utilizadas como antimicrobianos e algicidas naturais através de um processo otimizado de fermentação que a empresa patenteou”. E para que é que isto serve? Para as tintas anti-incrustantes usadas, por exemplo, nas embarcações, e que pode, por isso ser uma solução inovadora para o crescimento azul. Este projeto recebeu um apoio de 1,39 milhões de euros de financiamento.
  • A Perceived3D vai especializar a sua tecnologia para procedimentos por artroscopia do joelho e da anca, oferecendo a primeira solução eficaz de artroscopia na Cirurgia Ortopédica Assistida por Computador. Para isso vai receber 1,3 milhões de euros. Esta empresa de Coimbra é especialista em soluções de software de imagiologia avançadas para assistir e guiar os cirurgiões durante procedimentos cirúrgicos pouco invasivos.
  • A Bluemater está, desde 2008, a tentar tornar comercial e viável o seu conceito inovador para o tratamento de águas residuais em aterros sanitários e na própria indústria. Com os 2,03 milhões de euros que vai receber do Horizonte 2020, esta PME do Porto vai continuar a explorar uma forma de juntar os componentes que se encontram em “águas residuais altamente concentradas para alimentar microalgas” com um crescimento especialmente rápido “por transformarem o amónio e os fosfatos em proteínas e outros materiais orgânicos”.

Por ocasião da divulgação da lista de beneficiários, Carlos Moedas lembrou que “os resultados confirmam que este instrumento é, assumidamente, a melhor porta de entrada para as PME no Programa Horizonte 2020”. No espaço de dois anos, este instrumento já financiou mais de 60 PME portuguesas inovadoras com mais de 13 milhões de euros, revelou, desafiando outras empresas a arriscarem e concorrerem a este instrumento.

Já para o presidente da ANI, que desempenha um papel ativo na promoção da participação das empresas nacionais no Horizonte 2020, “estes resultados ilustram a grande evolução verificada na participação nacional no Programa Horizonte 2020, resultante também do trabalho de sensibilização, promoção e apoio à comunidade empresarial”, diz José Carlos Caldeira.

“Nesta fase do Instrumento PME, cada projeto pode receber até 2,5 milhões de euros (cinco milhões para projetos no domínio da saúde) para financiar atividades de inovação como a demonstração, o ensaio, a fase-piloto, a fase de expansão e a miniaturização, para além de desenvolver um plano de negócios sólido”, explica a Comissão Europeia no comunicado.

Desde o lançamento do programa a 1 de janeiro de 2014, foram selecionadas 641 PME para financiamento ao abrigo da Fase 2 do Instrumento PME, 8 das quais portuguesas. A próxima data-limite é 6 de abril de 2017.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lixo, imagiologia e algicidas dão prémios a PME portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião