Salário de Paulo Azevedo com corte de 30% na Sonae

Presidente executivo da Sonae recebeu mais de 600 mil euros em 2016, apesar do corte de 30% da sua remuneração.

A remuneração atribuída a Paulo Azevedo sofreu um corte de 30% em 2016, permitindo à Sonae reduzir os encargos com salários e prémios aos gestores executivos e não executivos para um total de 1,67 milhões de euros.

Azevedo, um dos dois presidentes executivos da Sonae, recebeu 622,8 mil euros no ano passado, 29,75% abaixo dos 886,5 mil euros de remuneração auferida em 2015. Já Ângelo Paupério, o outro CEO da retalhista, teve um aumento de 4%, recebendo 684,6 mil euros.

Entre administradores executivos e não executivos, a Sonae registou encargos de 1,668 milhões de euros apenas com salários e prémios de desempenho, uma fatura que baixou 14% face ao ano anterior.

No comunicado sobre o Governo da Sociedade publicado esta quarta-feira na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Sonae indica que a redução da remuneração reflete antecipadamente o compromisso assumido com a Sonae.

A Sonae registou uma subida de 22,7% dos lucros em 2016, para os 215 milhões de euros, superando as estimativas dos analistas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Salário de Paulo Azevedo com corte de 30% na Sonae

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião