Depois de ‘copos e mulheres’, Eurogrupo reúne-se amanhã

  • Lusa
  • 6 Abril 2017

Ministros das Finanças reúnem-se na sexta-feira em Malta com o problema do crédito malparado e a situação da Grécia na agenda. É a primeira reunião após declarações de Dijsselbloem.

Jeroen Dijsselbloem continua sob críticas na sequência da entrevista ao jornal Frankfurter Zeitung, na qual afirmou, referindo-se aos países do Sul da Europa, que “não se pode gastar todo o dinheiro em copos e mulheres e depois pedir ajuda”, o que motivou vários pedidos de demissão.

O presidente do Eurogrupo foi criticado também por não se ter disponibilizado a participar esta semana num debate no hemiciclo de Estrasburgo sobre o programa de assistência à Grécia.

A situação na Grécia será, precisamente, um dos temas quentes em cima da mesa no Eurogrupo: em discussão vai estar o pacote global de políticas que o país terá de aplicar para concluir a segunda revisão do programa de ajustamento, e que inclui reformas no mercado de trabalho e do setor da energia, bem como o objetivo de reequilíbrio das finanças públicas do país a médio prazo (em 2018 e nos anos seguintes).

Os ministros das Finanças da Zona Euro vão também ser informados das conclusões preliminares da segunda missão de supervisão pós-programa de ajustamento a Chipre, que decorreu no final de março.

Esta será também a primeira reunião dos governantes das Finanças da moeda única depois de ter sido tornado público que o ministro das Finanças português, Mário Centeno, foi sondado para presidir ao Eurogrupo.

No Eurogrupo participará, como é habitual, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, e a presidente do Conselho de Supervisão da instituição monetária europeia, Danièle Nouy, que vai apresentar aos ministros as linhas orientadoras do banco central para resolver o problema do crédito malparado.

O crédito não performativo ou de rentabilidade duvidosa (NPL, na sigla em inglês) já representa mais de um bilião de euros na banca europeia, sendo que a Grécia, Chipre, Portugal e Itália são os países com maiores rácios de crédito vencido. No caso português, segundo dados do Banco de Portugal referentes a fevereiro, o rácio do crédito vencido nas empresas situou-se em 16,2% e nas famílias representou 5%.

A discussão do problema do malparado será depois alargada aos ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin), que decorre na sexta-feira (depois do Eurogrupo) e no sábado em Valletta, capital de Malta, que tem a presidência rotativa da União Europeia (UE) e que lançou o repto para abordar a questão.

O vice-presidente da Comissão Europeia responsável pela estabilidade financeira, Valdis Dombrovskis, já se mostrou disponível para participar numa estratégia concertada para resolver o problema dos NPL.

A ligação entre a resolução dos NPL e os regimes de insolvência também será abordada, sendo que a discussão sobre o malparado será enquadrada pelo líder da divisão de assuntos financeiros na Direção-Geral do Tesouro, Corso Bavagnoli, que também está a liderar um grupo de trabalho sobre o malparado.

Mario Draghi e Vítor Constâncio, vice-presidente do BCE, marcarão presença no Ecofin de sexta-feira à tarde, dedicado ao problema dos NPL.

No sábado, os ministros das Finanças vão debater formas de incentivar o investimento no Norte de África discutir a estabilidade fiscal na UE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de ‘copos e mulheres’, Eurogrupo reúne-se amanhã

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião