Pharol e EDP cimentam máximos anuais da bolsa

PSI-20 cimenta máximos de mais de um ano com Pharol e EDP a brilharem na bolsa, contrariando o sentimento mais tímido na Europa.

Lisboa voltou a distinguir do cenário europeu com ganhos acima dos 0,5%, num desempenho para o qual contribuíram sobretudo Pharol e EDP e que permitiu à bolsa nacional cimentar máximos de mais de um ano.

O PSI-20, o principal índice português, fechou em alta de 0,52% para 5.144,84 pontos, mantendo-se em máximos desde março do ano passado. A Pharol voltou a disparar: somou mais 10,51% para os 0,31 euros, depois de a Orascom ter anunciado que vai prolongar a sua proposta sobre a Oi. A EDP, que presta contas ao mercado, também avançou 1,49% para 3,13 euros. Já após o fecho mostrou as contas trimestrais.

No total, foram as 14 cotadas que encerraram acima da linha de água, com nota de destaque ainda para a Nos (+0,78%) e Jerónimo Martins (+0,79%). No caso da retalhista dona do Pingo Doce, a evolução positiva surge depois do destaque do dividendo ocorrido na sessão desta terça-feira e que levou a uma penalização na cotação de cerca de 2%.

EDP liga a luz no PSI-20

A impedir maiores ganhos estiveram sobretudo a EDP Renováveis, que viu as receitas aumentarem mas os lucros encolheram no primeiro trimestre, e a Galp. As ações de ambas as energéticas cederam em torno dos 0,8%.

“O mercado nacional encerrou em alta, demonstrando assim uma overperformance face às praças europeias”, referiram os analistas do BPI no Comentário de Fecho. “As bolsas europeias negociaram em ligeira baixa, com os investidores a reagirem aos resultados empresariais divulgados e a aguardarem pela reunião da Reserva Federal nos EUA”, acrescentaram.

De facto, os principais mercados no Velho Continente apresentaram-se em terreno misto no encerramento. O índice de referência europeu Stoxx 600 cedeu ligeiros 0,11%. Por outro lado, o DAX 30 alemão fechou em alta de 0,12%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pharol e EDP cimentam máximos anuais da bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião