Draghi: “É preciso persistência na política monetária”

  • Lusa
  • 27 Junho 2017

Falando em Sintra, o presidente do BCE voltou a defender a necessidade de estímulos para assegurar uma recuperação económica duradoura e sustentável

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, defendeu que é preciso persistir na política monetária, pedindo prudência nos ajustamentos das medidas e mostrando-se confiante nos resultados a que tem levado na zona euro.

No discurso de abertura do segundo dia do Fórum do BCE em Sintra, Mario Draghi sublinhou a sua confiança de que a política monetária “é efetiva e que está a funcionar”. “Todos os sinais apontam para um fortalecimento e uma recuperação alargada da zona euro”, disse o responsável italiano.

Embora tenha admitido que ainda há fatores que estão a pesar na recuperação da inflação, mas que são “principalmente temporários” e que podem ser resolvidos com a política monetária do BCE, Draghi defendeu que ainda “é necessário um nível considerável de medidas acomodatícias para que as dinâmicas da inflação se tornem duradouras e sustentáveis”.

Por isso, o presidente do BCE sublinhou que “para garantir o regresso da inflação ao objetivo”, que é ficar próxima, mas abaixo, dos 2% no médio prazo, “é preciso persistência na política monetária“.

“E, finalmente, precisamos de prudência. À medida que a economia recupera temos de ser graduais quando ajustamos os parâmetros de política, para garantir que os nossos estímulos acompanham a recuperação enquanto reduzem as incertezas”, afirmou.

"À medida que a economia recupera temos de ser graduais quando ajustamos os parâmetros de política, para garantir que os nossos estímulos acompanham a recuperação enquanto reduzem as incertezas.”

Mario Draghi

Presidente do BCE

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Draghi: “É preciso persistência na política monetária”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião