Alticebank: Dona da Meo vai ter banco online em Portugal

Patrick Drahi, dono da Altice, tem planos para criar o Alticebank, um banco online que funcionará nos mercados onde o grupo tem operações de telecomunicações. Portugal está na lista.

A Altice, dona da Meo, está a planear lançar um banco online em vários mercados, incluindo Portugal. O serviço deverá chamar-se Alticebank e representará a entrada do grupo de Patrick Drahi num novo setor: o setor financeiro. A notícia foi avançada pelo jornal francês Le Parisien [conteúdo em francês]. Contactada pelo ECO, a Altice, através da PT Portugal, optou por não comentar estas informações.

O jornal refere que “o segredo tem sido bem mantido” e que o processo de licenciamento já começou. O grupo já terá submetido ao Banco Central Europeu os documentos necessários e aguarda aprovação para poder abrir atividade. O arranque do Alticebank está apontado para entre final de 2018 e início de 2019 e a nova instituição deverá ter atividade nos mercados onde o grupo detém operadoras de telecomunicações. Em Portugal, é dono da Meo.

Um segredo “bem guardado”

Apesar de a notícia só ter sido conhecida agora, o Le Parisien garante que o processo está bastante avançado, na medida em que o banco central se deverá pronunciar acerca do licenciamento do Alticebank ainda antes do final das férias de verão, refere a publicação. Ao jornal francês, a instituição liderada por Mario Draghi recusou-se a comentar. A marca foi discretamente registada por uma empresa da Altice a 18 de outubro do ano passado.

Não se conhecem detalhes sobre o funcionamento do Alticebank. No entanto, a avaliar pelas soluções já existentes, a empresa deverá disponibilizar serviços bancários em ambiente mobile, permitindo, por exemplo, transferências de dinheiro entre utilizadores ou outros pagamentos digitais, numa altura em que há cada vez mais utilizadores de smartphones.

O Alticebank surge após a concorrente Orange em França anunciar um serviço semelhante, o Orange Bank, “100% digital”, segundo a Reuters [conteúdo em inglês]. A Orange é uma das grandes operadoras de telecomunicações em França e a principal concorrente da SFR, detida pela Altice.

O banco vem ao encontro da estratégia da Altice de ser uma marca universal. Patrick Drahi tem vindo a adquirir ativos — como a PT em Portugal em 2015 — e já anunciou uma estratégia de rebranding, em que os principais (como a Meo) adotarão o nome da casa-mãe. Em Portugal, como o ECO avançou em primeira mão, a Altice também já apresentou uma proposta de compra da Media Capital, a dona da TVI, aos espanhóis da Prisa.

(Notícia atualizada às 16h40 com mais informações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alticebank: Dona da Meo vai ter banco online em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião