Governo dá 39 milhões de euros para a indústria do Centro

  • Lusa
  • 4 Agosto 2017

"Estes projetos são para transformar antigas instalações industriais em novas zonas de localização para outras empresas ou criar novas zonas industriais", disse o ministro Pedro Marques.

O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, anunciou hoje 39 milhões de euros de apoio para 36 projetos de áreas de acolhimento empresarial na região Centro, dos quais cerca de uma dezena situam-se no Pinhal Interior.

“Estes projetos são para transformar antigas instalações industriais em novas zonas de localização para outras empresas ou criar novas zonas industriais, nos locais em que já estavam completas e não existiam novos lotes para instalação de empresas”, explicou.

O governante falava aos jornalistas no final da cerimónia de apresentação das áreas de acolhimento empresarial da região Centro e da assinatura dos termos de aceitação dos apoios do Portugal 2020 pelos presidentes das Câmaras de Penela, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande, que decorreu em Penela, no distrito de Coimbra.

Segundo Pedro Marques, os apoios aos projetos de áreas de acolhimento empresarial provêm do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e vão resultar num investimento total de 100 milhões de euros e ajudar à diversificação da atividade económica e criação de mais emprego.

“Viemos aqui também para dizer que acreditamos na revitalização dos territórios do Pinhal Interior e que as autarquias destes territórios ainda antes dos incêndios acreditaram na importância da diversificação da atividade económica”, disse. Para o ministro do Planeamento e Infraestruturas, “esta ideia da diversificação económica dos territórios é muito importante”.

“E teremos, no futuro, nos termos do trabalho que estamos a fazer com os municípios mais afetados [dos incêndios de junho], um programa de revitalização económica do Pinhal Interior, que além de passar pelo ordenamento e valorização da produtividade da floresta, tem de passar por mais diversificação da atividade económica”.

Num balanço às medidas de apoio tomadas para responder aos trágicos incêndios de junho no Pinhal Interior, Pedro Marques salientou que estão já atribuídos apoios na ordem dos 100 milhões de euros, com vários avisos de candidaturas lançados em várias áreas.

“Hoje mesmo fazemos os primeiros pagamentos às empresas afetadas e muitos mais serão feitos nas próximas semanas, porque até agora só recebemos três candidaturas”, frisou o governante, explicando que os apoios atribuídos se destinam à recuperação de maquinaria.

O Programa de Valorização das Áreas Empresariais, que tem como objetivo reforçar a competitividade das empresas, potenciar a criação de emprego e aumentar as exportações, representa um investimento global de 180 milhões de euros e desenvolve-se em dois eixos, nas três regiões da convergência (Norte, Centro e Alentejo).

Para a criação e expansão de áreas empresariais estão previstos 78 milhões de euros, enquanto 102 milhões de euros se destinam a 12 ligações rodoviárias que vão melhorar as ligações de áreas empresariais já consolidadas aos principais eixos rodoviários e ferroviários.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo dá 39 milhões de euros para a indústria do Centro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião