Mil julgamentos feitos nos tribunais reabertos

  • Lusa
  • 2 Janeiro 2018

Balanço feito pela ministra da Justiça dos 43 tribunais existentes, dos quais 20 foram reabertos há precisamente um ano.

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, fez um balanço “muito positivo” da atividade dos 43 juízos de proximidade existentes, dos quais 20 foram reabertos há um ano, salientando que “os números confirmam confortavelmente o acerto da decisão”.

Destacando os mais de mil julgamentos efetuados até 21 de dezembro nestes espaços, a ministra referiu que “há toda uma movimentação em torno desses juízos que confirma a bondade da medida até mesmo no plano quantitativo”.

De acordo com dados fornecidos à agência Lusa pelo Ministério da Justiça, a propósito da entrada em funcionamento, há um ano, da nova Lei da Organização do Sistema Judiciário, foram realizados nestes locais 1.176 julgamentos, envolvendo 7.432 intervenientes. Ao nível de atendimentos, foram efetuados 44.000 telefonicamente e 44.873 de forma presencial.

Para Francisca Van Dunem, a reabertura de 20 juízos de proximidade permitiu devolver a “presença simbólica do Estado numa função de soberania a parcelas do território que tinham ficado privadas dela”.

Com esta medida, o Governo quis contrariar a desertificação, numa “lógica de não abandonar o interior à sua sorte”, dado que “os cidadãos do interior são tão cidadãos do país como outros quaisquer – são para deveres e obviamente também serão para direitos”.

“E portanto há essa lógica de igualdade e de necessidade de assegurar às pessoas a cidadania plena, [que] deveria efetivar-se e efetivou-se através dessa medida”, afirmou a ministra.

O mapa judiciário de 2014 dava conta da existência de 23 secções de proximidade, que deram lugar aos 43 juízos de proximidade existentes atualmente, depois da reabertura de duas dezenas em janeiro último.

Os juízos reabertos foram:

  • Sever do Vouga (Comarca de Aveiro);
  • Penela (Coimbra);
  • Portel (Évora);
  • Monchique (Faro);
  • Fornos de Algodres e Meda (Guarda);
  • Bombarral (Leiria);
  • Cadaval (Lisboa norte);
  • Castelo de Vide (Portalegre);
  • Ferreira do Zêzere e Mação (Santarém);
  • Sines (Setúbal);
  • Paredes de Coura (Viana do Castelo);
  • Boticas, Mesão Frio, Murça e Sabrosa (Vila Real);
  • Armamar, Resende e Tabuaço (Viseu).

Questionada sobre o alargamento da medida, a ministra da Justiça recusou que seja possível, observando que “tudo aquilo que foi encerrado foi reaberto”. Para tal, será necessário articular “as necessidades das populações com as capacidades do Estado neste momento”.

Ainda assim, admitiu a “possibilidade de, num caso ou outro, haver alguns acertos não tanto na perspetiva de aumentar as competências ou diferenciar as competências dos juízos de proximidade, mas sim no sentido de reorganizar um pouco mais o território judiciário, adaptando a oferta judiciária à estrutura do território”, dando resposta às reivindicações dos autarcas.

“Essa lógica de adaptação está agora também ainda a ser trabalhada, mas pensamos no próximo ano ter notícias a esse respeito”, avançou Francisca Van Dunem, apontando para o final de janeiro uma “segunda intervenção em matéria de avaliação do mapa judiciário”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mil julgamentos feitos nos tribunais reabertos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião