La Caixa quer investir 50 milhões em iniciativas sociais em Portugal

  • ECO
  • 14 Fevereiro 2018

Fundação "la Caixa" chega a Portugal com investimento de 10 milhões de euros em iniciativas de cariz social, científico e cultural. Espanhola quer subir apoios para 50 milhões, em cinco anos.

Depois de ter assumido as rédeas do BPI, a Fundação Bancária “la Caixa” chega a Portugal com um investimento de 10 milhões de euros em iniciativas de cariz social, científico e cultural. O principal acionista do CaixaBank (que detém, por sua vez, mais de 80% do banco português referido) inicia, assim, este ano a “implementação progressiva” da sua ação social em território lusitano com o objetivo de contribuir para o bem-estar dos portugueses.

Esta quarta-feira, na apresentação deste projeto e em resposta ao ECO, o diretor-geral da fundação espanhola, Jaume Giró, adiantou ainda que, no prazo de cinco anos, a meta é escalar esse investimento em Portugal para os 50 milhões de euros. A concretizar-se, esta aposta colocaria a “la Caixa” ao nível da instituição que, atualmente, mais apoios de cariz social distribuí em Portugal, a Fundação Calouste Gulbenkian.

“É um momento histórico”, considerou, esta tarde, o presidente honorário do BPI, relativamente à chegada da espanhola a Portugal. Artur Santos Silva — que é responsável pela coordenação do programa, neste lado da Península Ibérica — explicou que o primeiro passo foi a análise das “necessidades prioritárias do país” e dos programas que tiveram maior sucesso em Espanha, para determinar aqueles que seriam efetivamente importados. Desse estudo, resultaram um conjunto de linhas mestras focadas sobretudo nos cuidados paliativos e na contratação de pessoas em risco ou em situação de exclusão através do programa Incorpora.

De acordo com o presidente honorário do banco português, esse projeto foi um “grande êxito” em Espanha, o que justifica a sua chegada a Portugal. O Incorpora facilitará a integração laboral de grupos “especialmente vulneráveis”: jovens que nem estudam, nem trabalham; desempregados de longa duração maiores de 45 anos; ex-reclusos; ex-toxicodependentes; vítimas de violência domésticas, e pessoas com deficiência. Numa primeira fase, o programa arrancará apenas no Porto, Lisboa e Coimbra com a colaboração de 30 entidades sociais portuguesas.

Parceiros serão alvos de auditorias

“[A nossa missão] é construir uma sociedade melhor, mais justa e com mais oportunidades para as pessoas que mais necessitam“, sublinhou Jaume Giró, no evento desta tarde. Para além destes dois grandes focos, a chegada da “la Caixa” a Portugal vai representar o lançamento de programas especiais — como o de Dinamização das Regiões Transfronteiriças (único para a fundação) — e a atribuição por concurso de prémios a projetos de entidades sociais.

Nesse último caso, sabe o ECO que haverá não só grande exigência na escolha dessas instituições como também auditorias durante a realização dos programas para avaliar a sua execução orçamental. “Vamos contar muito com a resposta de ONGs, que podem ser os principais prestadores de serviços”, acrescentou, neste sentido, Giró, no que diz respeito às áreas de intervenção social dos cuidados paliativos e da contratação laboral.

Por outro lado, será igualmente apoiada a investigação científica (através de parcerias com as universidades e do lançamento de bolsas), o empreendedorismo e a cultura (com exposições firmes ou itinerantes). Também os prémios BPI serão reforçados com a criação de duas novas distinções, que se vêm juntar às três já existentes.

No próximo ano, a “la Caixa” espera concentrar o seu trabalho na pobreza infantil, no apoio a idosos, na educação e no apoio aos jovens empreendedores.

Criada em 1904, em Barcelona, a Fundação Bancária “la Caixa” é a terceira maior do mundo, em ativos, contando com um orçamento de 520 milhões de euros só para este ano. “Estamos muito contentes por estar aqui, em Portugal”, realçou Jaume Giró, esta quarta-feira.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

La Caixa quer investir 50 milhões em iniciativas sociais em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião