Quer trabalhar numa boa empresa? Estas são as melhores em Portugal

Farmacêutica MSD foi eleita como o melhor lugar de trabalho em Portugal, na categoria mais de 250 trabalhadores. Nas outras dimensões, foram distinguidas a AbbVie e a Mundipharma.

Já dizia Confúcio que escolher um trabalho de que se goste é sinónimo de não ter de trabalhar um dia que seja, na vida… especialmente se o fizer num bom ambiente. Quase 70 mil trabalhadores de norte a sul do país acabam de lhe dar uma mãozinha nessa tarefa: escolheram as 25 melhores empresas para trabalhar em Portugal. Em todas as categorias, há um padrão no ranking. São dominados por farmacêuticas, empresas tecnológicas e distribuidoras.

A lista elaborada pela Great Place to Work está dividida de acordo com a “dimensão tradicional” das empresas nacionais: até 100 colaboradores, entre 100 e 250 trabalhadores e mais de 250 empregados.

Na primeira categoria, é a Mundipharma (farmacêutica) a liderar. O pódio é ainda composto pelo Groupe SEB (na área do comércio e distribuição) e pelo SAS Institute Software (no campo das tecnologias da informação).

Já no que diz respeito às companhias de média dimensão, a farmacêutica AbbVie partilha a liderança com a Cisco Systems Portugal (na área das tecnologias da informação) e com a Medtronic Portugal (que opera no campo do comércio e da distribuição).

A dominar o ranking das grandes empresas surge, por sua vez, a MSD Portugal (farmacêutica), seguida pela Cofidis (que oferece serviços financeiros e seguros) e pela ROFF (no campo das tecnologias da informação).

A MSD Farmacêutica foi distinguida entre as melhores empresas para trabalhar com mais de 250 funcionários.

“Utilizámos duas ferramentas [para chegar a estes resultados]: o trust index, que coleta as perceções dos colaboradores, e o culture audit que tem a ver com as práticas, políticas e regras das empresas“, explicou ao ECO o diretor geral da consultora responsável pelo estudo.

Maurício Korbivcher adianta que os colaboradores inquiridos (pelo menos 40% do pessoal de cada empresa) recebem uma senha, que lhe permite aceder a uma plataforma, na qual respondem ao questionário. Todo este processo acontece no servidor da consultora, isto é, fora do alcance das empresas estudadas.

Korbivcher confirmou ainda que entre 60 mil e 70 mil trabalhadores portugueses contribuíram para a seleção deste ano que tem um aspeto em tudo semelhante ao de 2017.

A liderar a categoria de empresas com menos de 100 trabalhadores estavam o SAS Institute Software, a Mundipharma e a Omega Pharma Portuguesa. No que diz respeito às companhias com até 250 empregados, foram distinguidas a Cisco, a Medtronic Portugal e a AbbVie. Já na última categoria dimensional, destacaram-se, no ano passado, a ROFF, o Banco Santander Totta e a Teleperformance.

Igualdade de género premiada

São cinco os prémios sociais que a Great Place to Work atribuiu a par da divulgação do ranking referido e estão ligados às questões da igualdade de género, da atração de jovens talentos, da sustentabilidade, da liderança e da saúde e bem-estar.

Este ano, as empresas selecionadas para esta meia dezena de categorias foram a AbbVie, a Leroy Merlin, a Mars, a MSD Portugal e o SAS Institute Software, respetivamente.

Segundo Maurício Korbivcher, para se chegar a estas distinções é feita uma média de confiança de cada um dos indicadores com base nas respostas dadas pelos colaboradores.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer trabalhar numa boa empresa? Estas são as melhores em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião