Caixa paga mais do que BCP para vender dívida no mercado

Banco público pagou um cupão superior ao que o BCP pagou para emitir dívida subordinada AT2 e o resultado surpreendeu os analistas. Isto após ter mudado o sindicato bancário face à última operação.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) pagou mais do que o BCP para emitir dívida subordinada (Tier II) e o resultado não deixou de surpreender o mercado, que esperava que a melhor capacidade de crédito do banco público se materializasse num cupão mais baixo do que veio realmente a pagar. Os investidores exigiram ao banco liderado por Paulo Macedo um cupão de 5,75% para comprar 500 milhões de euros em obrigações subordinadas a dez anos, numa operação concluída esta quinta-feira e que permitiu fechar o plano de recapitalização acordado com a Comissão Europeia.

Embora este resultado compare muito favoravelmente com o cupão de 10,75% da emissão de dívida AT1 realizada pela CGD em março de 2017 (o que é explicado, em primeira linha, pelo diferente nível de risco entre AT1 e AT2), e o próprio banco destaque as poupanças com juros que vai obter, a verdade é que o BCP conseguiu um melhor negócio em novembro passado: pagou um cupão de 4,5% para emitir títulos AT2 (iguais ao que a CGD emitiu esta semana) num montante de 300 milhões.

Analistas consultados pelo ECO não esconderam que a operação desta semana do banco público foi feita num ambiente de mercado menos propício. Ainda assim, não deixaram de manifestar alguma surpresa pelo facto de a CGD ter pago um cupão que é 1,25 pontos percentuais acima do cupão pago pelo BCP há sete meses, pois consideram que o banco do Estado goza um melhor perfil de crédito do que o BCP e, nessa medida, devia ter pago um cupão mais baixo do que aquele que veio a pagar. Não aconteceu.

Além disso, no que toca à avaliação de risco da dívida emitida através de medium term notes, as duas instituições financeiras apresentam ratings iguais (risco igual): tanto à CGD como ao BCP estão atribuídos ratings de “B3” pela agência Moody’s.

Banco muda sindicato

Para esta emissão, Paulo Macedo contou com o apoio de um sindicato bancário diferente daquele que organizou a emissão de AT1 em 2017. Algo que não é habitual tendo em conta que as duas emissões fizeram parte da mesma operação de recapitalização do banco público com recurso ao mercado — factor essencial para que a injeção de 3,9 mil milhões de euros do Estado não fosse considerada uma ajuda pública por parte da DG-Comp. Não sendo normal mudar de equipa a meio do jogo, o que se passou?

Ao que o ECO apurou, o cupão de 10,75% pago em março de 2017 foi considerado elevado face às expectativas iniciais de uma taxa de uma taxa de juro que se sabia que ia ficar acima de 9%. O resultado final gerou tal desconforto que houve necessidade de mudar de bancos para esta segunda emissão que iria fechar o capítulo da recapitalização da CGD.

Há pouco mais de um ano, Barclays, Citigroup, Deutsche Bank e CaixaBI foram as entidades responsáveis pela organização e arranjo de toda a operação de financiamento com dívida AT1, roadshow incluído.

Desta feita, apenas o CaixaBI — o banco de investimento da CGD — se manteve num sindicato que contou um apoio mais alargado com os bancos BNP Paribas, Bank of America Merrill Lynch, Credit Agricole, Credit Suisse e Unicredit.

Contactado pelo ECO sobre as mudanças, fonte oficial do banco explicou que “nestes processos de emissão de dívida, e para a seleção dos bancos, a CGD avalia a relação global com os mesmos e o seu suporte às diferentes atividades que foram desenvolvidas”.

“Sendo por natureza limitado o número de bancos a selecionar para cada operação de emissão de dívida, uma das formas de reconhecer o relacionamento global com um número alargado de bancos de investimento é promover a sua rotação neste tipo de operações“, indicou a mesma fonte. “Está foi aliás a prática desde sempre adotada na Caixa”, frisou ainda.

(Notícia atualizada às 14h33 com rating dos dois bancos)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixa paga mais do que BCP para vender dívida no mercado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião