PS vai apresentar propostas de alteração ao acordo laboral

  • Lusa
  • 28 Junho 2018

Carlos César confirmou esta quinta-feira que apresentará propostas de alteração aos diplomas do Governo resultantes do acordo de concertação social sobre combate à precariedade.

O PS confirmou que apresentará propostas de alteração aos diplomas do Governo resultantes do acordo de concertação social sobre combate à precariedade, visando “salvaguardar a melhor interpretação” desse compromisso alcançado entre UGT e confederações patronais.

Esta posição foi transmitida aos jornalistas pelo presidente do Grupo Parlamentar do PS, Carlos César, no final da reunião semanal da bancada socialista.

Carlos César começou por salientar que os deputados socialistas “valorizam muito o trabalho que foi feito no âmbito da concertação social”.

“Entendemos que é muito relevante a circunstância de as confederações patronais se terem envolvido numa agenda legislativa que tem por único objetivo a defesa dos interesses dos trabalhadores, através do combate à precariedade e a favor da dignidade do trabalho”, disse.

No entanto, de acordo com Carlos César, o PS entende que, “no âmbito da concertação parlamentar, que sucede à concertação social, se deve fazer um esforço no sentido de essa legislação ser ainda melhorada e ser acautelada no seu melhor espírito“.

"No âmbito da concertação parlamentar, que sucede à concertação social, se deve fazer um esforço no sentido de essa legislação ser ainda melhorada e ser acautelada no seu melhor espírito.”

Carlos César

Presidente do Grupo Parlamentar do PS

“É isso que vamos fazer apresentando propostas de alteração. Quando estivermos em sede de especialidade, essas propostas serão presentes e votadas, o que não impede que na própria discussão na generalidade se entenda quais as matérias que, da parte do PS, se considera importante clarificar ou melhorar”, justificou, embora recusando-se, para já, a identificar sobre que matérias vão incidir as propostas de alteração a apresentar pela bancada socialista.

Interrogado se as propostas de alteração a apresentar pelo PS poderão colocar em causa a adesão ao acordo de concertação social por parte das confederações patronais, o líder parlamentar socialista reagiu: “Essas matérias só poderão ser respondidas pelas próprias confederações patronais”.

“O que sei é que as nossas propostas visam salvaguardar o melhor espírito e a melhor interpretação desse acordo”, alegou Carlos César.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS vai apresentar propostas de alteração ao acordo laboral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião