5 coisas que vão marcar o dia

"Lei da Uber" volta a ser apreciada pelo Parlamento. Comissão Europeia divulga Previsões de Verão. IPO da Raize termina esta quinta-feira e Conselho de Finanças Públicas pronuncia-se sobre o défice.

Depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter dito “não” à conhecida “lei da Uber”, o decreto volta a ser apreciado no Parlamento. Esta quinta-feira, ficará também marcada pela análise do Conselho das Finanças Públicas sobre a evolução orçamental, no primeiro trimestre, e pelas Previsões de Verão da Comissão Europeia. Termina hoje também a Oferta Pública de Venda Inicial da Raize… embora os títulos já se tenham esgotado há muito. Eurogrupo reúne-se pela primeira vez desde a Cimeira Europeia.

“Lei da Uber” volta ao Parlamento

Depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter vetado a lei que regularia a atividade dos operadores de transporte em veículos descaracterizados a partir de plataformas eletrónicas, o decreto volta a ser reapreciado na Assembleia da República. O Presidente da República tinha exigido o aumento da comissão paga pelas operadoras com base no valor de cada viagem. Nesse sentido, o PSD e PS deverão avançar, esta quinta-feira, com uma proposta que prevê uma contribuição de 5% sobre a receita obtida com cada viagem. Na versão original da “lei da Uber”, estava inscrita uma comissão entre 0,1% e 2% que deveria ser paga ao Estado. Depois da discussão desta tarde e dos ajustes consequentes, o decreto deverá regressar para as mãos de Marcelo.

Como se tem portado o défice?

O Conselho das Finanças Públicas divulga, esta quinta-feira, a sua análise à evolução do défice, nos primeiros três meses do ano. De acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), o saldo das Administrações Públicas fixou-se nos 0,9% do PIB, no primeiro semestre do ano, que compara com os 10,6% registado no mesmo período do ano anterior (isso se contarmos com o impacto da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos nas contas). No início do mês, a presidente do Conselho das Finanças Públicas desvalorizou o aumento da dívida pública contabilizado em maio, afirmando que o essencial é continuar a redução do défice.

Termina hoje IPO da Raize

Todas as ações que a Raize pretende emitir foram adquiridas faltavam ainda seis dias para terminar o prazo de subscrição (que se esgota esta quinta-feira). Foram disponibilizados 750 mil títulos (a dois euros cada) representativos de 15% do capital social. No total, o montante da oferta inicial é de 1,5 milhões de euros, avaliando-se a empresa — que oferece uma plataforma de empréstimos a pequenas empresas — em dez milhões de euros. A Raize tem estreia marcada na praça bolsista nacional a 18 de julho.

Bruxelas faz novas previsões para a economia

A Comissão Europeia divulga, esta quinta-feira, as Previsões de Verão, isto é, as suas estimativas para todos os Estados-membros relativas à evolução da inflação e do Produto Interno Bruto. Pierre Moscovici dá uma conferência de imprensa às 10h00, hora de Lisboa, para explicar as previsões. Em maio, quando publicou as suas Previsões de Primavera, a Comissão Europeia disse acreditar que Portugal ia criar muitos empregos com salários baixos, que a economia nacional crescerá 2,3% este ano e que o défice chegará a 0,9%, ficando acima do 0,7% estimados pelo Governo de António Costa, por causa do Novo Banco. Veremos se as previsões se mantêm.

Eurogrupo reúne-se esta quinta-feira

Está marcada para esta quinta-feira a primeira reunião do Eurogrupo, desde a Cimeira Europeia. Um dos temas sobre a mesa dos ministros das Finanças do euro serão as previsões da Comissão Europeia, mas também a avaliação pós-programa da Irlanda e de Espanha. Portugal já teve a sua, agora é a vez de outros países que também tiveram um programa de assistência financeira. Vai ainda ser discutida a orientação orçamental da zona euro, tendo por base o relatório de Conselho Orçamental Europeu, um órgão consultivo independente da Comissão, dirigido pelo dinamarquês Niels Thygesen. Um documento que faz a análise à proposta da Comissão Europeia apresentadas na cimeira do euro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião