Agosto perdeu importância e abril ganhou. Peso do turismo na economia duplica desde a crise

O turismo já não é só sol e praia. Agosto perdeu peso e abril ganhou. A preferência pelo Algarve reduziu e a opção por Lisboa aumentou.

Se as previsões do Banco de Portugal se confirmarem, o peso das exportações de turismo no PIB vai duplicar no espaço de dez anos. Esta é uma das conclusões de uma análise feita pelo Banco de Portugal sobre os desenvolvimentos recentes e as perspetivas futuras das exportações de turismo e que foi divulgada esta terça-feira, juntamente com o Boletim Económico.

Neste documento, o banco central atualizou as suas projeções para 2017-2021. E segundo as contas dos economistas do Banco de Portugal, o peso das exportações de turismo no PIB deverá chegar a 9,3% no último ano do horizonte de projeção. Em 2011, o turismo valia apenas 4,6% do PIB. Um valor muito próximo do registado em 1999, quando valia 4,1%. O que significa que todo o avanço feito pelo setor do turismo aconteceu na última década.

Esta evolução mostra que o Banco de Portugal acredita que, apesar do boom recente no turismo, o setor vai continuar a marcar pontos na economia portuguesa.

Os dados conhecidos até 2017 levam o Banco de Portugal a concluir que os fatores usuais para explicar o crescimento do turismo — como a procura externa e a competitividade através do preço — não foram determinantes. Aliás, o banco admite que os fatores não considerados no modelo de análise usado terão tido “um papel relevante”. Ou seja, o crescimento do turismo em Portugal não teve a ver com uma política de preços baixos.

Um dos pontos analisados pelo banco relaciona-se com o alojamento local. O total de registos de alojamento local [até dez camas] realizados em 2016-2017 totaliza mais de 20% do stock de camas da restante oferta de alojamento turístico. Em 2017, eram 94 mil camas em alojamentos até dez camas num total de 497 mil camas.

Para o futuro, as perspetivas são positivas. “Existe evidência de alterações estruturais no setor que deverão continuar a sustentar um crescimento forte no horizonte de projeção: i) diversificação da proveniência de turistas estrangeiros, ii) distribuição geográfica mais abrangente dos turistas no território nacional, iii) sinais de uma menor sazonalidade dos indicadores e, iv) do lado da oferta, forte aumento da capacidade de alojamento turístico e da presença de companhias aéreas de baixo custo no mercado português”.

Os principais mercados que procuram Portugal para fazer turismo continuam a ser Reino Unido, Alemanha, Espanha e França, com um peso à volta de 60%. No entanto, Brasil, Canadá e EUA começam a procurar Portugal, bem como Ásia e Oceânia, nomeadamente Cinha e Coreia do Sul.

Além disso, os estrangeiros que visitam Portugal já vêm menos no verão e mais outros meses. Em 2017, 12,6% dos turistas fizeram férias em agosto, contra 14% em 2010. Em contraposição está o mês de abril, a ganhar adeptos: 9% em 2017 contra 7,8% em 2010.

Também ao nível das regiões de destino são visíveis alterações. O Algarve perdeu importância. Em 2005, 44,6% dos turistas não residentes iam para aquela região, mas em 2017 já eram só 33,9%. Já a Área Metropolitana de Lisboa passou de 21,5% para 28% no número de dormidas de não residentes face ao total.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Agosto perdeu importância e abril ganhou. Peso do turismo na economia duplica desde a crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião