Parlamento vai pedir ao Ministério Público auditoria à Caixa Geral de Depósitos

  • ECO
  • 9 Janeiro 2019

Após nova recusa do banco, a comissão parlamentar de Orçamento e Finanças vai pedir agora à Procuradoria-Geral da República a auditoria realizada à gestão da CGD entre 2000 e 2015.

A Comissão parlamentar de Orçamento e Finanças vai pedir à Procuradoria-Geral da República (PGR) o acesso ao relatório da auditoria feita à gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) entre 2000 e 2015, depois de o banco público ter novamente recusado o acesso, como o ECO avançou em primeira-mão.

Esta posição foi tomada esta quarta-feira pela presidente da comissão parlamentar, Teresa Leal Coelho, e respaldada pelos grupos parlamentares presentes.

“Vou pedir à PGR que faculte o relatório, uma vez que cabe à PGR dizer se se trata ou não de um documento em segredo de justiça e por isso mesmo irei fazer este pedido”, disse Teresa Leal Coelho, na Comissão de Orçamento e Finanças.

Pela segunda vez, a CGD voltou a recusar divulgar ao parlamento o relatório da auditoria à gestão entre 2000 e 2015, justificando agora com o segredo de Justiça, já que o documento está no Ministério Público.

Na resposta na posse dos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças, o banco público considera que é legitimo a Assembleia da República pedir documentos que considere úteis ao seu mandato, mas insiste na recusa, justificando com o segredo de justiça.

"Vou pedir à PGR que faculte o relatório, uma vez que cabe à PGR dizer se se trata ou não de um documento em segredo de justiça e por isso mesmo irei fazer este pedido.”

Teresa Leal Coelho

Deputada do PSD

“No entanto, como é do conhecimento público, a pedido do Ministério Público (por ofício de 15 de junho de 2018) o documento em análise foi enviado aos autos do inquérito que aí corre, pelo que estamos impedidos de fornecer a V. Exas, sob pena de violação do segredo de Justiça”, refere a carta assinada pelo presidente executivo do banco, Paulo Macedo, e pelo presidente do Conselho de Administração, Rui Vilar.

Os mesmos afirmam ainda que os membros dos órgãos de administração ou de fiscalização do banco, assim como os trabalhadores, podem ter “pena de prisão até um ano ou multa até 240 dias” se divulgarem informações privilegiadas, considerando que “os factos ou elementos aqui relevantes estão vertidos num documento, o relatório, pelo que a divulgação do documento corporizaria a divulgação dos factos ou elementos em causa”.

Já sobre a hipótese de divulgar aos deputados o relatório mas retirando-lhe as partes abrangidas pelo dever de segredo, como aqueles haviam pedido, consideram os responsáveis da CGD que “tornaria o relatório inútil, na medida em que restariam apenas textos de teor incompreensível ou informação de natureza geral e pública, relativa a indicadores macroeconómicos e outros indicadores relevantes e à situação financeira da Caixa Geral de Depósitos no período de 2000 a 2015, aquele a que o relatório respeita”.

Já em julho do ano passado, a CGD se havia negado a enviar a auditoria aos seus atos de gestão à comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, alegando o segredo bancário, uma resposta que não foi aceite pelos deputados, que consideraram mesmo deselegante, até por ter sido assinada pelo secretário da sociedade. Então, os parlamentares decidiram devolver a carta, alegando que teria sido “um lapso, tanto pelo conteúdo como pela assinatura”, e pediram novamente o relatório da auditoria. A carta que agora chegou volta a negar aos deputados o acesso à informação.

Contudo, o tom é mais cuidado e Paulo Macedo e Rui Vilar, logo no segundo parágrafo, dizem que não querem “deixar de enfatizar o respeito, institucional e não só, que merece a Assembleia da República e os senhores deputados que a compõem”.

A auditoria à CGD, pedida pela comissão de Orçamento e Finanças, que aprovou por unanimidade um requerimento do PSD, diz respeito a atos de gestão do banco público praticados entre 2000 e 2015.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento vai pedir ao Ministério Público auditoria à Caixa Geral de Depósitos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião