Défice fechou 2018 em 2.083 milhões. Pior do que o previsto em outubro

Em outubro, o Governo atualizou as estimativas para o conjunto de 2018 e previu um défice em contabilidade pública de 1.304 milhões de euros.

O défice das Administrações Públicas fechou o ano passado em 2.083 milhões de euros, revelou esta sexta-feira o Ministério das Finanças em comunicado. Este valor é melhor do que o de 2017 em 475 milhões, mas pior do que o Governo previu em outubro para o conjunto do ano.

No Orçamento do Estado para 2019, apresentado a 15 de outubro do ano passado, o Governo atualizou a previsão de défice em contabilidade pública de 2018, fixando-a em 1.304 milhões de euros, o equivalente a 0,6% do PIB.

Em novembro, o défice entrou em terreno negativo ao alcançar o valor de 624 milhões de euros, em resultado do pagamento do subsídio de natal por inteiro aos funcionários públicos nesse mês.

O valor conhecido esta sexta-feira mede a diferença entre recebimentos e pagamentos para o conjunto do ano passado. “Em 2018 a execução orçamental em contabilidade pública das Administrações Públicas (AP) registou um saldo de -2.083 milhões de euros, representando uma melhoria de 475 milhões de euros face a 2017, explicada por um crescimento da receita (5,2%) superior ao aumento da despesa (4,5%)“, diz o Ministério das Finanças no comunicado que antecede a divulgação do boletim de execução orçamental da Direção-Geral do Orçamento (DGO).

No comunicado, o Governo não dá qualquer indicação sobre o impacto que pode ter nas metas enviadas para Bruxelas o facto de o défice em contabilidade pública ter saído cerca de 700 milhões de euros pior do que o previsto. No entanto, recentemente, o Governo mostrou-se confiante de que o défice em contabilidade nacional – o critério que conta para Bruxelas – possa ter ficado abaixo dos 0,7% inscritos nos documentos oficiais para o ano de 2018. As contas do Governo apontavam para um valor até 0,5%.

O “bom momento da economia”, a despesa no SNS e o investimento público

“A receita fiscal cresceu 4,9% devido ao aumento da receita do IRS (5,6%), do IVA (4,1%) e do IRC (10,2%)”, apesar da redução das taxas de IRS e da manutenção das principais taxas de imposto, o que “reflete o bom momento da economia portuguesa“, salienta o ministério de Mário Centeno. A receita de contribuições para a Segurança Social aumentou 7,6%, “em resultado do forte crescimento do emprego”, acrescentam as Finanças.

Do lado da despesa, o Terreiro do Paço destaca que apesar da redução do défice face a 2017, a despesa cresceu 4,5%, “explicada pelo forte aumento da despesa do Serviço Nacional de Saúde (+4,9%, acima do crescimento de 3,1% previsto no OE 2018), atingindo 10.070 milhões de euros, pela primeira vez um valor semelhante ao máximo anteriormente atingido no período pré-Programa de Ajustamento”.

O ministério destaca ainda outras apostas do lado dos gastos públicos, tais como o “elevado crescimento de 17,1% do investimento na Administração Central e Segurança Social (excluindo as parcerias público-privadas)” e as “despesas com prestações sociais (6,8%)”.

Saúde e Educação explicam 75% do aumento da fatura com pessoal

O ministério acrescenta também que “a despesa com salários cresceu 2,5% na Administração Central, em resultado do descongelamento das carreiras e da reposição do valor de outras prestações, como as horas extraordinárias“.

“O aumento das despesas com pessoal no SNS e nos estabelecimentos escolares representou 75% do total do aumento da despesa”, revelam. No SNS, os gastos com pessoal subiram 5,3% “explicado pelo forte crescimento do número de enfermeiros e médicos, pelo aumento do valor pago no SNS referente às horas extraordinárias, horas de qualidade e à criação de um novo subsídio para enfermeiros especialistas”, concretizam as Finanças numa altura em que os enfermeiros e o Governo mantêm um braço-de-ferro.

“A despesa com pensões da Segurança Social cresce 3% e com as pensões da CGA cresce 1,7%, refletindo o facto de, pela primeira vez na última década, a grande maioria dos pensionistas ter aumentos superiores à inflação e também os aumentos extraordinários de pensões”, acrescentam as Finanças.

Equipa de Centeno destaca aposta nos transportes públicos

No comunicado, o Ministério das Finanças dá ainda nota da evolução das despesas na área dos transportes públicas, um tema que tem sido recorrente na oposição e até entre os parceiros políticos que se queixam da falta de aposta do Governo nos serviços públicos de transporte.

“As despesas com investimento e aquisição de bens e serviços registou um forte crescimento em empresas na área dos transportes como a Metropolitano de Lisboa (+33,7%) e a Infraestruturas de Portugal (+34,2%), para o qual contribuiu a aposta no investimento na ferrovia (+80%).”

Na cultura, a despesa no setor teve “um forte aumento de 12,1%, o mesmo acontecendo com as forças de segurança, nomeadamente a Polícia Judiciária (+59,8%) e a GNR (+29,6%)”.

(Notícia atualizada)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Défice fechou 2018 em 2.083 milhões. Pior do que o previsto em outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião