Constâncio: Países da Zona Euro crescem “de forma mais equilibrada”, mas há “reformas de fundo” a fazer

O ex-vice-presidente do BCE esteve em Lisboa a falar sobre os 20 anos do euro. Na última crise "todas as organizações internacionais se enganaram", reconheceu.

Vítor Constâncio defendeu esta quinta-feira que os países da Zona Euro voltaram a crescer “de uma forma mais equilibrada”, mas “permanecem debilidades” relacionadas com o endividamento de algumas economias que tornam urgentes “reformas de fundo”.

O antigo vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) falava sobre “Os 20 anos do Euro”, em Lisboa, na sessão solene anual do ISEG. Constâncio foi substituído a 1 de junho de 2018 pelo espanhol Luis de Guindos. Estava no BCE desde 2010. Antes tinha sido governador do Banco de Portugal, entre fevereiro de 2000 e maio de 2010, período que apanhou a crise financeira mundial e a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN) – a primeira instituição financeira a ser intervencionada durante a crise em Portugal e cujo ponto alto aconteceu em 2014 com a resolução do BES.

“Apesar das reformas desde 2010 são necessárias outras reformas para dar maior robustez à unidade monetária”, afirmou o economista que foi aluno do ISEG. Antes, Constâncio defendeu que permanecem “riscos políticos e políticos na área do euro”, sobretudo para os países mais endividados.

Perante uma plateia cheia de personalidades com responsabilidades políticas e empresariais — entre eles Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa e António Mexia –, o antigo número dois de Mario Draghi deixou uma “lista de reformas que seriam necessárias agora” para robustecer o bloco de economias do euro.

Entre elas estão a “redução dos riscos da fragilidade dos mercados de dívida soberana”, a necessidade de completar a União Bancária, a criação do Fundo de Resolução bancária, a criação do título de seguro europeu, a criação do Fundo Europeu de Estabilização, a revisão do Pacto de Estabilidade e Crescimento e a concretização de uma união de mercados de capitais.

Na mesma sessão, Vítor Constâncio defendeu que o programa de OMT desenvolvido pelo BCE — e que permitiu à autoridade monetária comprar dívida dos países sob stress financeiro — “foi decisivo para pôr termo à instabilidade financeira” vivida na Zona Euro depois da falência do Lehman Brothers, em 2008. No entanto, lamentou que o QE (quantitative easing) tenha surgido só em 2015, o que “contribuiu para que a política monetária não fosse tão expansionista”.

Constâncio enquadrou a demora na aplicação deste programa com a dificuldade em perceber “em tempo real” a dimensão do que se passava. “Todas as organizações internacionais se enganaram. Em tempo real era difícil ter a avaliação que agora temos sobre a segunda recessão” do período de 20 anos do euro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Constâncio: Países da Zona Euro crescem “de forma mais equilibrada”, mas há “reformas de fundo” a fazer

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião