Lagarde alerta para crescimento lento e insta governos a lutar contra corrupção

  • Lusa
  • 10 Fevereiro 2019

Diretora do FMI diz que o futuro após a crise "permanece desconhecido". Mas frisou que governos não devem apenas promover crescimento económico, mas também o bem-estar dos cidadãos.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, alertou este domingo para o crescimento lento da economia devido a vários fatores como a desaceleração da economia chinesa e instou os governos a lutar contra a corrupção.

No primeiro dia da World Government Summit, realizada nos Emirados Árabes Unidos, Christine Largarde disse que as “tensões comerciais e aumentos de impostos, as restrições financeiras, a incerteza sobre o Brexit e a desaceleração da economia chinesa” estão por detrás da desaceleração da economia. “Estão a afetar o comércio, a confiança e os mercados”, disse.

A diretora-geral do FMI salientou que a economia mundial está num momento de “transformação” e que o futuro após a crise “permanece desconhecido”.

“O futuro do trabalho está a mudar radicalmente e, consequentemente, muitos serão diferentes. É uma combinação entre a globalização e a tecnologia e os empregos serão adaptados à inteligência artificial”, realçou.

Neste ponto, referiu Lagarde, “as políticas que abordam mudanças nos empregos são necessárias”.

“Os governos não devem apenas melhorar as economias dos países, mas devem também aumentar a qualidade de vida de seus cidadãos”, disse.

Christine Lagarde chamou também a atenção dos países em relação à corrupção que, na sua opinião, “gera desconfiança e afeta o crescimento da economia”. “Pedimos aos estados que não arruínem as suas economias, que apliquem a transparência e adotem boas políticas governamentais“, referiu.

A Cimeira começou este domingo no Dubai, com a participação de mais de 4.000 pessoas de 140 países, incluindo chefes de Estado, ministros e autoridades que se reúnem para discutir o futuro dos governos.

Representantes de mais de 150 países, incluindo Portugal, participam de hoje a terça-feira, no Dubai, no World Government Summit, onde líderes políticos, religiosos, económicos e sociais irão debater o futuro próximo do planeta.

Ao longo dos três dias, a governança nas suas várias valências será alvo de uma multiplicidade de olhares, debatendo como mitigar o risco da próxima epidemia global, como a consciência pode transformar a educação ou como definir propriedade intelectual na era da inteligência artificial.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lagarde alerta para crescimento lento e insta governos a lutar contra corrupção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião