Lagarde elogia Portugal, mas dívida elevada ainda preocupa o FMI

A diretora-geral do FMI falou no Conselho de Estado a convite do Presidente da República. Dívidas pública e privada ainda preocupam.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, elogiou os progressos alcançados pela economia portuguesa na saída da crise, mas sinalizou preocupações com as dívidas pública e privada, pedindo esforços a Portugal perante um cenário de abrandamento mundial.

“Após uma década de crise e recuperação podemos afirmar que Portugal conseguiu alcançar enormes progressos”, disse a responsável máxima do FMI na reunião do Conselho de Estado que teve início às 15 horas e para a qual foi convidada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Lagarde assinalou a subida do PIB, a descida do desemprego e a criação de postos de trabalho, que defendeu ter sido facilitada pela “reforma laboral implementada durante o programa”. A diretora-geral do FMI destacou ainda o ambiente de negócios “mais atrativo” para investidores, a aposta nas exportações, a redução do défice orçamental e da dívida pública. “Um sucesso notável”, resumiu.

No entanto, e apesar de Portugal já ter pago toda a dívida que contraiu junto do FMI em 2011, o endividamento público e privado continua a ser uma preocupação. Mais ainda quando “é provável que as águas da economia mundial se venham a tornar mais traiçoeiras”.

A recomendação para Portugal foi inspirada nas conquistas alcançadas durante os descobrimentos. Lagarde lembrou o feito de Vasco da Gama — que “não tinha medo da escuridão”, explorou o Oceano Índico e tinha consciência que era importante avançar mesmo quando o horizonte era sombrio” – para deixar um recado às autoridades nacionais. “Não se deixem ficar à deriva“.

“Os riscos no resto do mundo são cada vez maiores e é provável que representem a principal fonte de instabilidade para a economia portuguesa”, disse a responsável máxima do FMI, adiantado que na Primavera o Fundo irá rever a previsão de crescimento para a Zona Euro, que está atualmente em 1,6%. A Comissão Europeia reviu recentemente a projeção de crescimento do bloco do euro de 1,9% para 1,3% este ano.

"Os riscos no resto do mundo são cada vez maiores e é provável que representem a principal fonte de instabilidade para a economia portuguesa.”

Christine Lagarde

Para enfrentar estes desafios, o Fundo considera que Portugal deve dar resposta em três áreas: reduzir mais o saldo orçamental estrutural para acelerar o ritmo de redução da dívida pública, implementar reformas estruturais que aumentem a poupança, o investimento e a produtividade, o que permitia baixar o endividamento dos privados, e preparar o país para a rápida mudança tecnológica, com reguladores mais fortes, um ensino mais focado no futuro e ajuda aos que vão ficar fora do mercado de trabalho.

No Conselho de Estado têm assento, além do chefe de Estado, o primeiro-ministro, os presidentes dos governos regionais, os antigos Presidentes da República, entre outras personalidades.

A mensagem deixada por Lagarde é próxima da que esta semana foi transmitida pela Comissão Europeia no relatório sobre a avaliação da situação económica e social. Portugal cresce, mas ainda existem desequilíbrios relacionados com o endividamento e o crédito malparado, que num cenário de baixa produtividade deixam o país vulnerável.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lagarde elogia Portugal, mas dívida elevada ainda preocupa o FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião