“Todos anseiam” pelo fim do mandato de Carlos Costa. “Até o próprio”, diz Carlos César na TSF

  • ECO
  • 13 Fevereiro 2019

Carlos César, líder parlamentar do PS, disse que "todos anseiam" pelo momento da saída de Carlos Costa da liderança do Banco de Portugal. "Até o próprio", rematou, em declarações à TSF.

O líder parlamentar do PS, Carlos César, disse que “todos anseiam” pelo fim do mandato de Carlos Costa, o atual governador do Banco de Portugal (BdP). “Provavelmente até o próprio”, rematou, em declarações à rádio TSF.

Carlos César disse, na TSF, que não vai ceder à “política do espetáculo” e pedir a exoneração do governador do BdP, uma vez que, como já explicou o ECO, o processo só estaria concluído já perto da data do fim do mandato. Mas o socialista acrescentou que “todos, provavelmente até o próprio, anseiam esse momento”, sublinhando que o mandato tem sido “marcado pela passividade”.

Esta posição surge numa altura em que o líder do BdP está envolvido na polémica em torno da auditoria a 15 anos de gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Carlos Costa também foi gestor do banco público quando foram aprovados créditos que resultaram em perdas de centenas de milhões de euros. E, numa altura em que o BdP se encontra a avaliar a idoneidade dos antigos gestores da CGD, o governador pediu escusa de matérias que envolvam a auditoria.

O deputado do PS João Paulo Correia já tinha dito esta terça-feira que o partido tem “suspeitas” quanto à conduta de Carlos Costa durante a passagem pela CGD, entre 2004 e 2006. Mas considerou “precipitado” pedir a exoneração do governador: “Seria muito precipitado avançar já com uma conclusão antes de iniciarmos o próprio inquérito parlamentar”, justificou o deputado.

(Notícia atualizada às 15h02 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Todos anseiam” pelo fim do mandato de Carlos Costa. “Até o próprio”, diz Carlos César na TSF

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião