Comissão de inquérito à Caixa toma posse hoje e será presidida pelo social-democrata Luís Leite Ramos

  • ECO
  • 21 Fevereiro 2019

Os partidos já indicaram os vários deputados que irão integrar a comissão de inquérito à Caixa, que será presidida pelo deputado do PSD Luís Leite Ramos. A comissão toma posse esta tarde.

A comissão de inquérito parlamentar à gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai tomar posse ao final deste tarde, informou o porta-voz da conferência de líderes, esta quinta-feira. De acordo com o social-democrata Duarte Pacheco, a composição da comissão já foi aprovada, sendo presidida pelo deputado do PSD Luís Leite Ramos.

A comissão integrará sete parlamentares do PSD, sete do PS, um do BE, um do PCP e outro do CDS-PP.

O Partido Socialista (PS) indicou os deputados Fernando Rocha Andrade, Constança Urbano de Sousa, Carlos Pereira, Isabel Moreira, João Marques, Jorge Gomes e ainda João Paulo Correia, que será coordenador dos socialistas nesta comissão. O PS abdicou, por outro lado, de nomear um relator, delegando essa tarefa para o deputado indicado pelo CDS, João Almeida.

“O Grupo Parlamentar do Partido Socialista já indicou os deputados que irão integrar a Comissão de Inquérito à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à gestão do Banco. Os deputados socialistas efetivos na Comissão serão: João Paulo Correia, Fernando Rocha Andrade, Constança Urbano de Sousa, Carlos Pereira, Isabel Moreira, João Marques e Jorge Gomes”, pode ler-se no comunicado enviado pelo PS às redações, esta quinta-feira. Os socialistas indicaram ainda, como suplentes, Marcos Perestrello, Jamila Madeira e Fernando Anastácio.

Pelo PSD, o coordenador será o deputado Duarte Pacheco, e os restantes elementos serão Duarte Marques, Conceição Ruão, Inês Domingos, Carlos Silva, Virgílio Macedo.

O CDS-PP, partido que propôs a comissão, terá como deputado efetivo João Almeida – porta-voz do partido e que participará pela terceira vez nos inquéritos parlamentares sobre o banco público – e como suplentes a ‘vice’ da bancada e do partido Cecília Meireles e Ana Rita Bessa.

Pela parte do Bloco de Esquerda, a dirigente Mariana Mortágua integrará esta comissão de inquérito como efetiva, tendo como suplentes Jorge Costa e Ernesto Ferraz.

Pelo PCP, Paulo Sá será o deputado efetivo e Duarte Alves e o líder parlamentar João Oliveira os suplentes.

Esta será a terceira comissão de inquérito, nesta legislatura, que terá a Caixa como objeto. Proposta pelo PS, PSD, CDS e Bloco de Esquerda, a nova comissão terá o mesmo propósito da última, que foi encerrada sem que os deputados tenham recebido vários documentos solicitados à CGD, ao Banco de Portugal e à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que invocaram segredo bancário e sigilo profissional.

Os objetivos são apurar as práticas de gestão da Caixa no âmbito da concessão e gestão de crédito, bem como apreciar a atuação dos órgãos societários a Caixa e, ainda, averiguar as contradições entre as declarações proferidas publicamente por antigos gestores e as informações que constam do relatório da auditoria feita pela EY.

Os partidos acordaram que a comissão de inquérito não deverá ultrapassar os 120 dias, tendo em conta não só a urgência do tema mas, também, o facto de decorrerem eleições legislativas em outubro.

(Notícia atualizada pela última vez às 13h01 com mais informação)

Comentários ({{ total }})

Comissão de inquérito à Caixa toma posse hoje e será presidida pelo social-democrata Luís Leite Ramos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião