Consório Amorim/Vanguard paga menos pela Comporta após venda de dois lotes

  • Lusa
  • 28 Março 2019

O preço final foi fixado em 157,526 milhões de euros, face aos 158,198 milhões previstos inicialmente, visto que o consórcio está a adquirir menos dois lotes que foram vendidos durante o processo.

Os ativos da Herdade da Comporta que em breve vão passar para as mãos do consórcio Amorim/Vanguard são menos do que os inicialmente previstos, depois de a entidade gestora ter vendido dois lotes.

Assim, segundo revelou à agência Lusa fonte próxima do processo, o preço final foi fixado em 157,526 milhões de euros, face aos 158,198 milhões de euros previstos inicialmente, visto que o consórcio também está a adquirir menos ativos. Os dois lotes, vendidos antes do final deste processo, atingiram um preço que ronda os 671.500 euros.

Neste momento, encontra-se em fase final o levantamento de condicionantes no terreno, nomeadamente servidões (limitações em favor de outras entidades) e que têm que estar formalizadas num contrato, para preparar a entrega dos ativos.

De acordo com a mesma fonte, a assinatura da escritura deverá ser realizada no final de abril ou início de maio, sendo necessário, portanto, ainda algumas semanas para os preparativos finais.

O consórcio Amorim/Vanguard vai investir mais de 1.000 milhões de euros na Comporta, num prazo de 10 a 15 anos, segundo avançou à Lusa, em 27 de novembro do ano passado, José Cardoso Botelho, managing director da Vanguard Properties.

A assembleia-geral de participantes da Herdade da Comporta aprovou nesse dia a venda dos ativos da propriedade ao consórcio.

Um mês antes, em 28 de outubro, a Gesfimo, entidade gestora da Herdade da Comporta, assinou um “contrato promessa de compra e venda” da propriedade com o consórcio Amorim/Vanguard.

A venda da Herdade da Comporta, nos concelhos de Alcácer do Sal e Grândola, foi decidida após o colapso financeiro do GES – Grupo Espírito Santo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consório Amorim/Vanguard paga menos pela Comporta após venda de dois lotes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião