Portugueses já têm quase 200 mil contas nos bancos digitais. Alguns têm de as declarar no IRS

Os quatro principais bancos digitais com presença em Portugal (Revolut, Monese, Lydia e N26) têm, pelo menos, 180 mil contas em Portugal. Número real deve passar 200 mil.

Os quatro principais bancos digitais em Portugal já têm perto de 200 mil contas em Portugal, de acordo com dados recolhidos pelo ECO junto destas empresas. Soluções como a da Revolut têm conquistado cada vez mais portugueses, prometendo serviços que eram tradicionalmente prestados pelos bancos, mas com comissões mais baixas.

A Monese diz já ter passado a meta dos 10 mil utilizadores registados no país, enquanto a aplicação Lydia afirma ter 50 mil clientes portugueses. Estes são dados atualizados de abril, avançados pelas respetivas empresas.

A Revolut não respondeu ao pedido do ECO, mas afirmava em fevereiro ter somado 20 mil utilizadores entre janeiro e fevereiro e disse que estava a crescer a um ritmo de 600 contas novas por dia. Com base nas estimativas, terá já merecido a confiança de mais de 140 mil clientes. A N26 recusou revelar estes dados.

Desta forma, os portugueses terão registado, pelo menos, 180 mil contas nos bancos digitais, mas o número deverá ser superior e é provável que já tenha ultrapassado os 200 mil. Não é possível saber o número real de utilizadores portugueses, uma vez que não existe centralização destas informações. Um cidadão português pode ter conta nos quatro bancos, por exemplo.

Numa altura em que decorre o período de entregas das declarações de IRS, foi já confirmado pelo Fisco que é os contribuintes têm de declarar a existência destas contas no anexo J do modelo 3 da declaração. No entanto, e ao contrário da indicação inicial, as contas na Revolut só vão ter de ser declaradas no próximo ano (e apenas se a lei não mudar), porque a startup ainda operava em 2018 sob uma licença do tipo “serviço de pagamentos” e não “instituição de crédito” — ou seja, ainda não era considerada um banco.

No entanto, como o ECO avançou no fim de semana, na N26, uma vez que já opera como instituição de crédito em Portugal desde 2016, as contas já têm de ser declaradas no IRS este ano, mas isso não tem qualquer influência no valor do imposto a apurar. A única influência é a perda do direito ao IRS Automático, uma vez que o anexo da declaração que está em causa ainda não é abrangido por essa tecnologia.

Bancos digitais como a Revolut enviam para casa dos clientes um cartão físico que promete substituir os serviços mais comuns da banca tradicional.Hugo Amaral/ECO

Comissões mais baixas despertam interesse

A Revolut, sediada no Reino Unido, tem sido uma das empresas a atrair mais portugueses. A aplicação permite abrir uma conta gratuitamente, pedindo apenas um depósito de 10 euros, que contrasta com os depósitos mínimos de 250 euros que muitos bancos pedem para admitirem uma conta nova.

Mediante o pagamento único de 5,99 euros, a empresa envia para casa dos clientes um cartão de débito universal da MasterCard, que também permite fazer compras online (e que, mediante algumas condições, até pode ser gratuito).

Além disso, empresas como a Revolut já têm licença bancária do BCE e permitem fazer o câmbio entre divisas ao preço de mercado, fazer levantamentos e até transferências imediatas entre contas a preços mais baixos ou, em alguns casos, em regime livre.

O interesse que se está a gerar em torno destas soluções deve ser visto à luz das comissões da banca tradicional, que estão em níveis recorde. Além disso, alguns bancos preparam-se para começar a taxar as transferências imediatas feitas através da aplicação MB Way, da SIBS, o que está a gerar críticas por parte dos utilizadores.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses já têm quase 200 mil contas nos bancos digitais. Alguns têm de as declarar no IRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião