Luís Cabral deverá substituir Rosa Cullell na liderança da Media Capital

Atualmente CEO das rádios do grupo, Luís Cabral deverá ser o homem escolhido para suceder a Rosa Cullell na liderança da dona da TVI. Decisão deverá ser oficializada ainda hoje.

A liderança da dona TVI vai mesmo mudar e o novo CEO já está escolhido. Salvo alterações de última hora, Luís Cabral, atualmente líder da Media Capital Rádios, é o nome apontado pelos espanhóis da Prisa para suceder a Rosa Cullell na presidência do grupo Media Capital, apurou o ECO junto de fontes próximas do processo.

A escolha ainda não é final. O Conselho de Administração da Prisa ter-se-á reunido esta quinta-feira para votar a substituição de Rosa Cullell no cargo de CEO do grupo de media português. O anúncio oficial deverá acontecer ainda esta sexta-feira, já com Manuel Mirat, líder da Prisa, em solo português, apurou o ECO.

Luís Cabral, que deverá ser o novo CEO da empresa, é CEO da Media Capital Rádios desde julho de 2009 e foi um dos responsáveis pelo sucesso do negócio da rádio na dona da TVI. A Rádio Comercial, a principal rádio da Media Capital, é hoje uma das mais acarinhadas pelos portugueses e, mês após mês, disputa taco a taco a liderança de audiências com a concorrente RFM.

Luís Cabral em entrevista à Rádio Comercial

Logo após o falhanço da venda da Media Capital à Altice no ano passado terá sido acordada entre Cullell e a Prisa a saída da gestora. Fontes próximas garantem que a substituição foi apontada para abril deste ano, mas a guerra de audiências entre a TVI e a SIC levou a que o processo fosse adiado até este mês. Agora, com a TVI a perder a liderança até no horário nobre, tornou-se o momento ideal para virar a página na empresa.

Contactada na última semana para comentar a sua saída, Rosa Cullell não quis fazer declarações. A Media Capital e a Prisa também não quiseram fazer qualquer comentário.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Luís Cabral deverá substituir Rosa Cullell na liderança da Media Capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião