Reguladores atacam Libra. Facebook não deu informação suficiente sobre a moeda

Autoridades dos quatro cantos do mundo uniram esforços. Numa carta aberta, criticam as práticas do Facebook e expressam preocupação em torno do lançamento da moeda virtual Libra pela empresa.

Um grupo alargado de reguladores uniu forças para expressar preocupação em torno da criptomoeda do Facebook, um projeto que a empresa quer lançar na primeira metade do ano que vem. Numa carta aberta, as autoridades provenientes de várias partes do mundo consideram que a empresa não deu informação suficiente acerca das medidas que pretende tomar para proteger a privacidade dos utilizadores.

Segundo o Financial Times (acesso pago), entre os signatários estão a comissária britânica para a informação, Elizabeth Denham; o presidente da Autoridade Europeia para a Proteção de Dados, Giovanni Buttarelli; e a comissária democrata da Comissão Federal do Comércio dos EUA, Rohit Chopra. Além disso, a carta conta com signatários do Canadá e da Austrália. Em causa, a moeda Libra e a carteira virtual Calibra, que estão a ser desenvolvidas pela empresa liderada por Mark Zuckerberg.

“Até à data, apesar de o Facebook e a Calibra terem feito amplas declarações públicas sobre privacidade, falharam em divulgar especificamente as práticas relativas ao uso da informação que vão ser implementadas para proteger as informações pessoais” dos utilizadores, lê-se na missiva. Ao mesmo tempo, os reguladores apontam para a “rápida implementação” da criptomoeda como um dos principais motivos a justificar a preocupação.

Os reguladores criticam ainda o Facebook por causa dos vários escândalos relativos ao uso indevido de dados recolhidos pela empresa. “Muitos de nós, na comunidade regulatória, tivemos de trabalhar em episódios em que a forma de o Facebook lidar com a informação das pessoas não respeitou as expectativas dos reguladores nem dos seus próprios utilizadores”, remata a carta.

Estas declarações voltam a elevar a fasquia para a empresa, que já veio rejeitar que tenha em mente uma suspensão do prazo para o lançamento da criptomoeda Libra. O plano do Facebook tem sido criticado por poder representar um risco para o sistema global financeiro e por assentar num consórcio que conta com grandes empresas, entre as quais o duopólio Visa e MasterCard. Entre os organismos que já levantaram questões estão o Congresso dos EUA, a Comissão Europeia, a Reserva Federal norte-americana e o BCE, entre outras.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reguladores atacam Libra. Facebook não deu informação suficiente sobre a moeda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião